Nathan Lopes Do UOL, em São Paulo

De acordo com o STF, réus delatores devem se manifestar antes dos acusados que não possuem acordo. As alegações finais são a última manifestação dos réus antes que a sentença seja proferida em um processo. Ao marcar nesta quarta (23) o julgamento da semana que vem —informação dada em primeira em mão pelo UOL—, o desembargador João Pedro Gebran Neto, relator das ações da Operação Lava Jato no TRF-4, pediu que o MPF na segunda instância se manifestasse.

No documento protocolado no final da noite de quarta, o procurador regional Mauricio Gotardo Gerum disse que a posição por anular a condenação é “para salvaguardar a coerência do sistema jurídico quanto para evitar futuras alegações de nulidade que certamente conduzirão a um grande prejuízo em termos processuais”. O MPF é a favor de que a ação seja refeita a partir da etapa de alegações finais. Lula foi condenado a mais de 12 anos de prisão nesse processo. O ex-presidente foi acusado dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro por participação em um esquema de corrupção envolvendo a Petrobras e empreiteiras. O ex-presidente teria sido beneficiado com reformas no sítio frequentado por ele no interior de São Paulo.

A defesa dele nega as acusações. Apesar de defender o retorno do processo à etapa de alegações finais, Gerum, porém, diz que “não há diferença substancial entre o rito observado neste processo quanto à ordem de apresentação das alegações finais e aquele considerado pelo STF como ofensivo à Constituição”. O procurador atua nas ações da Lava Jato na segunda instância. Além do MPF, a defesa de Lula e dos outros réus também devem se manifestar a respeito do julgamento do TRF-4.

A defesa de Lula já havia feito pedido com base nessa regra à primeira instância, mas a solicitação foi negada. Os advogados de Lula ainda não apresentaram sua manifestação no processo, mas, em nota, disseram que irão insistir junto ao Tribunal para que todo o processo do sítio seja anulado. “Além do oportuno reconhecimento de que Lula não praticou qualquer crime”, pontuaram.

Fonte: Notícias Uol

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826Camiseta Lula Cadê a Prova 

https://youtu.be/o8NP2U9Zc5U

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.