Liberdade de Lula tem a ver com a manutenção de direitos, diz Nobre

Para presidente da CUT, é preciso construir mobilização permanente para denunciar a condenação injusta e exigir a liberdade do presidente Lula
Por CUT

Em sua primeira atividade pública desde que foi eleito presidente Nacional da CUT, no último dia 10, Sérgio Nobre, indignado com a situação do país, incentivou ainda mais a disposição de luta de quem participou do “Ato Justiça para Lula”, que aconteceu neste domingo (13), na Avenida Paulista, em São Paulo.

Mais de 10 mil pessoas que foram à Paulista defender liberdade e justiça para Lula ouviram atentamente Nobre em seus mais de 8 minutos de fala sobre a destruição do país desde o golpe de 2016, os ataques de Jair Bolsonaro (PSL) contra a classe trabalhadora e contra a soberania do Brasil, a farsa da operação Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro para prender Lula e eleger Bolsonaro e o que tudo isso significa para os trabalhadores e as trabalhadoras do país.

O presidente da CUT também contou como foi à visita ao ex-presidente Lula, na semana passada, em Curitiba, e disse que a liberdade de Lula tem a ver com a defesa dos direitos da classe trabalhadora.

“Lula me disse que só sai de lá [da prisão política onde está desde abril de 2018] quando a classe trabalhadora entender que a liberdade dele tem a ver com a manutenção dos direitos”.

“Solto, Lula vai viajar esse país junto com a CUT e os movimentos sociais para defender a Amazônia, a Petrobras e o pré-sal. Então a liberdade de Lula tem a ver com nossos direitos, a conquista do emprego e um país com soberania”, destacou o presidente da CUT, Sergio Nobre.

De acordo com o dirigente, é preciso “construir mobilização permanente com mutirões não só nos locais de trabalho e nas portas de fábricas, mas também nas periferias e nas feiras para denunciar [o julgamento parcial] e exigir a liberdade do presidente Lula, que virá”.

Além dos movimentos sociais, sindicais e partidos políticos, a deputada Federal e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, e o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também estavam presentes no ato deste domingo.

Destruição do país e a resistência

Nobre pontuou a retirada de direitos e o ataque à soberania do país desde o golpe de 2016 até os dias de hoje. Segundo o presidente da CUT, tudo que foi construído desde a destituição da presidenta Dilma Rousseff até a prisão de Lula foi uma farsa montada junto com a direita para fraudar a eleição em 2018.

“A Lava Jato, que a gente já denunciava desde o início, a pretexto do combate à corrupção, tinha um projeto político e um projeto de poder. Para consolidar o seu projeto tinha que prender o presidente Lula e as denúncias do ‘ Intercept Brasil’ mostram de forma clara o que eles queriam na verdade”.

E sem Lula, aponta o presidente da CUT, eles ficaram a vontade para colocar o projeto político deles na prática, privatizar a Embraer, destruir o setor da construção civil, as universidades brasileiras, a pesquisa, a ciência, os direitos trabalhistas e previdenciários e, se não bastassem, ainda querem a privatização da Petrobrás e do Pré-sal e das empresas públicas tão importante para o desenvolvimento do país.

A classe trabalhadora tem uma missão importante de não permitir a destruição da soberania e não permitir a entrega dos direitos duramente conquistados
– Sergio Nobre

O presidente da CUT disse que o 13° Congresso Nacional da CUT aprovou a realização de um ato em frente à sede do Ministério da Economia, no próximo dia 30 de outubro contra a política econômica e entreguista de Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes, da Economia, em defesa da Petrobras e a Amazônia. “E queremos chamar todos a todos para que estejam presentes nessa luta”, disse Sérgio ressaltando que vai conversar com as demais centrais e movimentos sociais para participarem do ato que é em defesa do Brasil e dos brasileiros.

Fonte: PT

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.