Do Mirante do Cardeiro, te escrevo

De Fabiana Agra para Lula

Lula, meu querido,

Desde aquele fatídico 7 de abril passado, o dia em que te trancafiaram nessa masmorra, que eu busco respostas e saídas para encruzilhada em que se encontra o Brasil. Viajei centenas de léguas para encontrar os nossos, li milhares de páginas que tentam explicar a conjuntura mundial e o papel do Brasil no novo mapa que está sendo posto pelos maiorais, desisti de sonhos, de profissão, de planos, e me desfiz das várias roupagens, das certezas e de um confortável cotidiano, somente para descobrir que ainda sou a mesma de quase um ano atrás. Continuo sem respostas, sem planos de voo, sem bússola, sem leme – até o lenço e os documentos, perdi-os na última tentativa de passagem…

Perdida, volto àquela serra de onde escrevi a primeira carta endereçada a você, Lula. Chego ao Mirante do Cardeiro, na tentativa de obter as respostas para as perguntas do ontem e do agora. Cansada, sento à beira do precipício e contemplo, ao mesmo tempo, a linha do horizonte e o abismo que se espraia aos meus pés. Lula, a caatinga está em flor! As últimas chuvas, apesar de escassas, já foram bastante para fazerem renascer a nossa caatinga, até onde a vista alcança é um caleidoscópio de verdes que brotam a partir do cinza que, adormecido, esperou as primeiras precipitações para render-se à vida que brota no semiárido! Daqui, escuto o canto dos pássaros, que ressurgem em polvorosa anunciando a possibilidade de um ano de invernadas. Daqui, vejo a floração da caatinga quase sem flor. Daqui, escuto o farfalhar dos anfíbios por entre a relva e sinto o cheiro da terra molhada entranhar em todos os meus poros, como que a anunciar que o novo está por vir.

Digo tudo isso, Lula, porque sei da tua conexão com a nossa terra, com a nossa caatinga, com o semiárido – sei do seu amor pelo Nordeste! E digo mais, Lula: o povo do Nordeste não te esquece nem por um só momento, o nosso povo sabe e entende o seu ato extremado de perder a liberdade em nome de um projeto de vida  para o povo brasileiro. E o povo nordestino ama você por isso também, Lula, Não só por você ter proporcionado os melhores anos para nós em mais de quinhentos anos de exploração! Com você, Lula, o nordestino começou a sentir-se fazendo parte de um projeto de nação, acreditou e começou a tornar realidade o sonho de dias melhores para todos nós.

… Meio-dia, o sol queima a cara, dada a tapa há tempos; a cigarra canta, oculta, os bichos outros escondem-se, enquanto eu miro o olhar entre as serras daqui, em busca de respostas. Mas as nuvens nada dizem, o vento silencia. Não ouso falar dos últimos cinquenta dias, Lula, seria desrespeitoso para com o Brasil e com o melhor presidente que este país já teve. Não falarei de atualidades, pois; quero tratar do que virá, do que vir-a-ser, do querer-ser, do que terá-que-ser, porque do jeito que está, é para exterminar o povo, Lula, e eu lembro bem o quanto você alertou para estes dias de agora! E daqui de onde me encontro, meu querido, posso sentir a força vital que emana da natureza, como que dando propulsão à fênix – ou bennu – de agora que, ao emular-se na pira de acontecências, permite o ressurgimento daquela resistência atemporal, que insistirá no combate milenar – desde que a primeira cerca foi posta entre os iguais.

Antes de deixar o mirante, é inevitável comparar aquela visão que tive, tempos atrás, da mata branca, adormecida – e para quem não conhece, aparentando morte – com tua prisão, Lula. Eu sei que está aí, feito o umbuzeiro, a baraúna e o cardeiro, que perdem as folhas todas, e acinzentam seus corpos, para conseguirem sobreviver a um longo período de estiagem – para três dias depois das primeiras chuvas, ressurgirem numa explosão de vida. Assim está você, Lula, e tal qual o que olho daqui, ficará a partir do dia de tua libertação!

Por enquanto é só, Lula, que a caatinga ainda carece de água – e eu, feito macambira, ainda preciso da chuva para abandonar o cinza da espera, e inaugurar o verde da mata-em-flor. De resto, o que posso adiantar, presidente, é que nós daqui continuaremos resistindo, insistindo e não desistindo jamais, porque o nordestino é mais forte, o nordestino faz-se invisível para poder alcançar o imponderável. Em breve, estaremos unindo forças com as outras e outros irmãos dos cinco cantos desse continente de fogo – e mesmo que não tenhamos ainda as respostas para os dias de agora, seguiremos lutando ao menos para arrancar você deste lugar.

Um abraço forte, companheiro.

Fabiana Agra

Escritora e jornalista

Picuí do Seridó, Paraíba, 21 de fevereiro de 2019

Fonte: As cartas que Lula não recebeu – Coletânea organizada por Cleusa Slaviero – Fernando Tolentino

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: