Repúdio absoluto ao atentado contra Lula

A única resposta admissível ao atentado contra a caravana de Lula é o repúdio absoluto e sem ressalvas. Não existe “mas”. Um líder político estava em campanha pelo país e foi atacado a tiros. Ponto.

Por Luis Felipe Miguel

 
 
 
Ao lado do editorial, a coluna de Roberto Dias, que consegue ser um dos piores jornalistas da Folha, usa Vicente Matheus para minimizar a agressão contra Lula (“quem sai na chuva pode se queimar”) e insinua que o ataque foi buscado pelo PT (para se vitimizar, é claro). Em seguida, Bruno Boghossian, que entrou no jornal para ocupar a posição de voz da centro-esquerda (cada vez mais desbotada), elabora a tese de que o atentado é um indício da frustração daqueles que querem Lula preso. Em suma: tem que prender o homem (apesar do artigo 5º da Constituição) para pacificar o país.
Pior, para mim, é ver uma parte da esquerda rebolando para evitar prestar solidariedade ao Lula. Uma parte bem menor, é verdade: o belo gesto de Boulos e Manuela em Curitiba, ontem, mostra que as principais lideranças não embarcam nessa. Vejo um discurso que é como se tivéssemos que “escolher” entre Marielle e Lula, o que me parece um absurdo. No Rio ocorreu uma tragédia, duas pessoas perderam a vida. Mas, como indício da espiral ascendente da violência política no país, o atentado no Paraná não é menos relevante.
Achei particularmente chocante uma postagem, que me mostraram agora, de um professor que é considerado guru por alguns.
Esse mesmo professor, cerca de um mês atrás, suspendeu por uns instantes suas então elevadas pretensões político-eleitorais para zombar dos cursos sobre o golpe de 2016 – que, aliás, ele nega que tenha sido um golpe, nisso se juntando a Olavo, Constantino e Mendonça. Dizia ele que o MEC devia estar preocupado era com ele, que ia dar aulas sobre Marx!
Bom, eu também dou aulas sobre Marx, assim como milhares de colegas pelo Brasil afora, e não gostaria de que ameaças recaíssem também sobre elas. A brincadeira mostra enorme insensibilidade diante da gravidade da situação que vivemos. Ou talvez ele ponha muita fé no fato de que, em geral, a única reação que certo marxismo acadêmico é capaz de provocar são bocejos…
Pois agora ele diz o atentado contra a caravana está sendo “magnificado” pela propaganda petista, com objetivo de anunciar uma “suposta” onda fascista para “deseducar” as massas e desviar a esquerda de seu principal objetivo, que é… distanciar-se de Lula. É uma cegueira deliberada provocada por vaidade doentia.
É uma demonstração brutal do quadro psicanalítico de alguns integrantes da nossa extrema-esquerda, que nunca vão perdoar Lula por não ser aquilo que eles projetavam que ele seria. É uma irresponsabilidade diante do cenário gravíssimo em que nos encontramos. E é uma incrível ignorância da história.
Felizmente, o tal professor não tem uma fração da influência política que finge ter. Suas declarações têm impacto insignificante. Mas o discurso que ele veicula, que minimiza a dimensão do retrocesso em curso no Brasil para preservar a proporção de sua pretensa radicalidade em relação a outras correntes do campo popular, é de fato, como dizem por aí, a esquerda que a direita gosta.

Publicado pelo professor Luís Felipe Miguel em sua página no Facebook em 29 de março de 2018


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!
COMPRE AQUI

continua depois da propaganda