Carta ao Lula: Sem despedidas – Tem uma gigante na prisão de Curitiba!

De Edevaldo de Medeiros

Itapeva – SP, 21 de abril de 2019

Hoje faz um mês que Chastalo me chamou para subir.

Subimos.

Aberta a porta, vi sentado em uma cadeira, atrás de uma pequena mesa quadrada, o homem que mais desperta amor e ódio nesse país, que dedicou sua vida ao povo, que lutou contra todas as adversidades possíveis, que se fez presidente, matou fome, sede e ignorância.

Caminhei em sua direção, ele se levantou, dei-lhe um forte abraço.

Sentamos.

Contida a emoção, mirei naqueles olhos pequenos que olhavam na direção dos advogados sentados à mesa.

A voz rouca, o queixo erguido, o discurso sólido.

continua depois da propaganda

Ele quis saber de onde eu vinha. Falei.

Nada demovia seu olhar sereno e firme e seus lábios cerrados, até que eu disse que era filho de baiano.

Foi o primeiro sorriso. Filho de baiano, nascido na década de 40, que migrou para São Paulo nos anos 60 para ser operário. Sorriso largo.

Aquele sorriso revelava a compreensão do que me levara ali.

Em tom paternal, me disse: – Respeite-se, senão ninguém vai te respeitar. Respeite a instituição a que você pertence, pois sem as instituições não há democracia.

continua depois da propaganda

Falamos de política, economia e justiça.

Deu a hora e os advogados tiveram que ir. Ficamos eu e ele. Meia hora de conversa.

E como lhe dissera no início da prosa não entender de política, apanhando uma caneta e rabiscando num papel, deu-me uma lição básica.

Depois, ofereceu-me café: – Eu faço o meu café, porque sou bom nisso, disse.

Passado o café,  com o copo estendido em minha direção: – açúcar ou adoçante?

continua depois da propaganda

– Açúcar, presidente.

– Não tem.

Rimos.

Sentamos e bebemos o café.

Foi-se a meia hora.

continua depois da propaganda

Chastalo entrou.

Entreguei as cartas e as fotografias.

Mostrei a sacola de cartas da rodoviária de Brasília, seus olhos brilharam. Um novo sorriso.

Em tom de bronca: – Por que você não tirou uma foto disso, pô?

Autografadas as camisetas e bandeiras, nos despedimos.

continua depois da propaganda

A cena de despedida desapareceu completamente das minhas reminiscências. E se digo que houve, é por que era o que havia de acontecer.

Desci e encontrei meus amigos que aguardavam no saguão: as juízas Germana de Morelo, Raquel Braga, Magda Biavaschi e Lucy Lago; e os juízes André Machado, Maurício Brasil, Mario Sergio Pinheiro, José Augusto Neto, José Antônio Correa Francisco, Leador Machado e Rui Portanova.

Lucy esteve presente em seu espírito de luta, já que um problema de última hora a impediu de estar fisicamente conosco.

Lenice Parreira, minha eterna companheira, Zisélia da Costa, que está na vigília desde que ela começou, e Sebastião Aranha, guerreiro valoroso, estavam ali, ansiosos.

Gente que compartilha o mesmo amor pela Constituição, pela democracia e pelo Brasil, que da justiça ergue a clava forte, não foge à luta e não teme o mal, nem os que o adoram.

Tem uma gigante na prisão de Curitiba! Gigante pela própria natureza, um homem forte, honesto, sensível e corajoso.

Até breve, Presidente Lula!

Edevaldo de Medeiros – Juiz Federal

Fonte: As cartas que Lula não recebeu, p 242, Coletânea organizada por Cleusa Slaviero e Fernando Tolentino

Slide

VISTA NOSSA CAMISA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

<

p style=”text-align: center;”> 

continua depois da propaganda