A violência é resultado principalmente da intervenção externa com apoio interno do judiciário capturado e omisso, políticos oportunistas e, em especial, da mídia corrupta e venal a serviço dos bancos. “O império anglo/saxão/sionista controla com mão-de-ferro a imprensa prostituta ocidental, que está agora em modo de lavagem cerebral”, disse o economista e geopolítico Peter Koenig, recentemente. Observação facilmente comprovada em redes de TV, jornais e revistas nacionais que operam vazamentos da Lava Jato, caluniam lideranças políticas ou, como agora, naturalizam e glamurizam emboscadas e assassinatos.
Nunca é demais lembrar a experiência da Ucrânia, mergulhada em uma guerra civil, em 2013, a partir da ação de grupos fascistas que assaltaram o governo. Na mesma conta, está a violenta destituição e assassinato do presidente Muamar Kadafi, em 2011, que destruiu o Estado Líbio e transformou o país num território de gangues. Assim como no Brasil, as “primaveras árabes” atingiram o Norte da África e o Oriente Médio, em especial a Síria, com a mesma técnica de assalto ao poder, manifestações de massas e uso das mídias sociais.
“No creo en brujas, pero que las hay, las hay”, diz o ditado espanhol que insiste em conferir realidade às inúmeras “coincidências” registradas nos últimos dias para desviar, capturar ou manipular a “opinião pública”. Ás vésperas do julgamento de Lula, a vereadora Marielle Franco é assassinada no Rio de Janeiro; no mesmo dia em que a caravana de Lula é alvejada por tiros, o Globo informa que o ministro Fachin – relator da Lava Jato – vem sofrendo ameaças, sem identificar a origem. São fatos recentes que mantém o histórico de “casualidade” política e midiática da Operação Lava Jato que impõem imediata resposta de democratas e patriotas.
Os episódios verificados nos últimos dias exigem a urgente compreensão do caráter pensado, planejado e executado da escalada de violência que tem por principal objetivo instalar um clima de insegurança, desordem e confronto social – dividir o país. O alvo das balas que atingiram os ônibus da caravana pelo Sul do Brasil não é apenas Lula, ou o PT, mas a democracia, o Estado Brasileiro, a sua própria existência enquanto Nação. As mãos que acionaram as armas que dispararam contra Lula são as mesma que se apropriam do pré-sal, do Orçamento Geral da União e das empresas nacionais.

ANOTE AÍ:
Fernando Rosa, jornalista, editor do blog Senhor X, especializado em geopolítica.
Matéria publicada em 29 de março no Brasil 247  https://www.brasil247.com/pt/colunistas/geral/349020/O-dedo-do-Tio.htm
Anúncios

Comentários

X
%d blogueiros gostam disto:
preloader