A violência é resultado principalmente da intervenção externa com apoio interno do judiciário capturado e omisso, políticos oportunistas e, em especial, da mídia corrupta e venal a serviço dos bancos. “O império anglo/saxão/sionista controla com mão-de-ferro a imprensa prostituta ocidental, que está agora em modo de lavagem cerebral”, disse o economista e geopolítico Peter Koenig, recentemente. Observação facilmente comprovada em redes de TV, jornais e revistas nacionais que operam vazamentos da Lava Jato, caluniam lideranças políticas ou, como agora, naturalizam e glamurizam emboscadas e assassinatos.
Nunca é demais lembrar a experiência da Ucrânia, mergulhada em uma guerra civil, em 2013, a partir da ação de grupos fascistas que assaltaram o governo. Na mesma conta, está a violenta destituição e assassinato do presidente Muamar Kadafi, em 2011, que destruiu o Estado Líbio e transformou o país num território de gangues. Assim como no Brasil, as “primaveras árabes” atingiram o Norte da África e o Oriente Médio, em especial a Síria, com a mesma técnica de assalto ao poder, manifestações de massas e uso das mídias sociais.
“No creo en brujas, pero que las hay, las hay”, diz o ditado espanhol que insiste em conferir realidade às inúmeras “coincidências” registradas nos últimos dias para desviar, capturar ou manipular a “opinião pública”. Ás vésperas do julgamento de Lula, a vereadora Marielle Franco é assassinada no Rio de Janeiro; no mesmo dia em que a caravana de Lula é alvejada por tiros, o Globo informa que o ministro Fachin – relator da Lava Jato – vem sofrendo ameaças, sem identificar a origem. São fatos recentes que mantém o histórico de “casualidade” política e midiática da Operação Lava Jato que impõem imediata resposta de democratas e patriotas.
Os episódios verificados nos últimos dias exigem a urgente compreensão do caráter pensado, planejado e executado da escalada de violência que tem por principal objetivo instalar um clima de insegurança, desordem e confronto social – dividir o país. O alvo das balas que atingiram os ônibus da caravana pelo Sul do Brasil não é apenas Lula, ou o PT, mas a democracia, o Estado Brasileiro, a sua própria existência enquanto Nação. As mãos que acionaram as armas que dispararam contra Lula são as mesma que se apropriam do pré-sal, do Orçamento Geral da União e das empresas nacionais.

Fernando Rosa, jornalista, editor do blog Senhor X, especializado em geopolítica.
Matéria publicada em 29 de março no Brasil 247  https://www.brasil247.com/pt/colunistas/geral/349020/O-dedo-do-Tio.htm
——————————————————————————————————————————–

Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 
COMPRE AQUI

 
 
continua depois da propaganda