Lula voltou e é hora de construirmos a virada

por Ion de Andrade

A volta de Lula à política no Brasil é uma lufada de ar fresco num ambiente que já estava irrespirável.

Mas Lula vem diferente, mais indignado e certamente mais atualizado com a agenda necessária ao Brasil, porque, como ele mesmo disse, na prisão ele teve tempo de reflexão e aprendeu…

Me lembro do período que antecedeu aquela primeira eleição de Lula em 2002. Uma das coisas que foi bastante difundida foi a formação intensiva que o presidente deu a si mesmo numa série de assuntos estratégicos ao Brasil com os pensadores mais avançados em cada área.

Lula vive, desde sempre, um preparo permanente para os desafios que o povo deposita continuamente em suas mãos e se engana quem possa achar que na prisão Lula perdeu tempo, pois preparou-se ainda mais.

Em seu discurso de posse em janeiro de 2003, Lula falava de uma meta que pareceu inalcançável a muita gente. Três refeições por dia para o brasileiro. Me disse: – É bonito, mas não conseguirá!

O Lula de hoje fala de cultura e de juventude e fala de renda, mas agora fala de renda  dentre esses outros tópicos igualmente cruciais para a emancipação definitiva do nosso povo. Fala de juventude que é a principal perdedora da loucura que se instalou em Brasília.

Lula mudou e se o Brasil também mudou de agenda foi em boa parte pelo sucesso das políticas de enfrentamento da miséria que foram desenvolvidas no seu governo.

Temos, sob a liderança desse líder maior, que encontrar a continuação da história que começamos a escrever.

Os anos das lutas heroicas daquele país miserável que fomos, e que sequer permitia que as pessoas comessem três vezes ao dia, ficaram, em grande medida, para trás. Eu, por exemplo, que sou pediatra e trabalho num projeto num bairro popular de Natal, há muito tempo não faço um só diagnóstico de desnutrição. E antes esses diagnósticos nos obrigaram a ter uma enfermaria-dia de suplementação alimentar para desnutridos, tantos e tão graves eram.

Isso não significa que a miséria tenha desaparecido por completo, ela não desapareceu, ela nos espreita e os programas que asseguram vida de sobrevivência não podem ser descontinuados ou ela voltará como já mostra o rosto. Prova disso o IBGE publicou nessa semana a horripilante estatística da volta à miséria de nada que menos que um milhão de pessoas por ano, todo ano desde o golpe. Mas os anos de governo popular conseguiram efetivamente virar a página em que estávamos em janeiro de 2003, ainda que não possamos ter a alegria da erradicação completa da miséria.

E hoje, sem abrir mão dessas conquistas, e chegando onde não chegamos para assegurar a vida de sobrevivência aos que hoje ainda são miseráveis, sim o Brasil quer e aspira por ir além dos níveis de sobrevivência.

Os problemas de hoje que nos horripilam a todos são os da iniquidade, da exclusão social dos pobres, do massacre de jovens negros que cotidianamente vitimam nossa gente todos os dias do ano; da falta de acesso à contemporaneidade nas periferias e zonas rurais onde o lazer, a civilidade, ou o acesso à cultura são quimeras. Locais onde o esgoto ainda corre a céu aberto e onde a cidadania é uma conquista heroica de poucos, por difícil que é de se chegar a ela.

Poderíamos resumir esse novo capítulo das lutas do nosso povo como sendo o do Desenvolvimento para a Inclusão Social.

Em Natal, na próxima semana, teremos uma discussão, num grupo egresso das discussões atuais referentes ao Plano Diretor, sobre o desenho institucional a propor para essa tarefa civilizatória que é uma necessidade hoje. Sim, pois não temos instituição que seja capaz de dar cumprimento a essa importante missão no nosso país.

Do que falaremos?

Da base a partir da qual as comunidades secularmente abandonadas pelo Estado poderão planejar o seu desenvolvimento e a sua emancipação cidadã. Portanto essas instituições, de que desenharemos os fundamentos, devem permitir e viabilizar a vida associativa local focada nessa agenda que lhe será obrigatória e constitutiva.

A ideia que já circula nesse pequeno grupo, que está inspirado também de algumas experiências internacionais é que essa instituição já surja equipada com os equipamentos coletivos mínimos, que estão sempre ou quase sempre ausentes das periferias e zonas rurais e que inexistindo condicionam a iniquidade e a exclusão social: as bibliotecas públicas (e elas podem ter espaços digitais), as salas de apresentação cênica, o cineclube, a escola de música, a piscina pública, as salas de reunião associativa, os espaços poliesportivos, os anfiteatros, as áreas de lazer, etc, etc, etc.

Essa é a agenda da Cultura em sentido amplo e da juventude como principal beneficiária e são também os sinos dobrando pelo Estado escravocrata que estaremos enterrando sem pompas.

O Brasil pode bancar isso tudo? Sim!

Já fizemos diversos exercícios orçamentários e sabemos que essa nova rodada de desenvolvimento institucional é perfeitamente viável materialmente para o país.

O problema que se põe é o da coragem política para enfrentar o paradigma que sustenta esse Estado escravocrata porque essa instituição/agenda é a grande virada contra ele.

Atenção gestores porque o Estado escravocrata vive dentro de nós e nos diz que toda despesa pública em periferias é dinheiro jogado no lixo. Essa instituição/agenda materializa (tão tardiamente…) o enfrentamento da Exclusão Social naquilo que hoje ainda cumpre o papel de Senzala para um Estado que é a Casa Grande: nossas periferias e lonjuras.

Quando o companheiro Lula fala de defesa da cultura e da juventude me acende a esperança de que tal como ele fez contra a fome, possa fazer agora contra a Exclusão Social e como dizia Paulo Freire contra o Subdesenvolvimento Opressor.

Essa agenda: 1. consolida a democracia multiplicando a cidadania, 2. politiza o povo permitindo que entenda pela experiência de que Projeto de Sociedade falamos, 3. acesta um poderoso golpe contra o Estado escravocrata; 4. produz inclusão social e 5. nos atualiza com a civilidade.

E é isso que eu teimo em querer ouvir quando ouço o companheiro Lula falar de prioridade à cultura e à juventude!

A ele entregaremos, mirando por agora as eleições municipais de 2020, o nosso desenho de instituição para a virada!

Fonte: GGN

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.