Curitiba, 16 de novembro, de 2019.

Lula,

No “Crônica de uma morte anunciada”, Gabriel Garcia Marques anuncia já na primeira frase a morte do protagonista da história.

Pois eu, Lula, nesta primeira frase anuncio que deixarei de lhe escrever cartas.

Creio que consegui, nestes últimos três meses,  ser mais uma voz a denunciar as injustiças cometidas contra você.

Hoje é o segundo sábado de sua liberdade.

E, para não perder o costume, informo: há sol em Curitiba e a temperatura está amena.

Muitas pessoas têm perguntado pela minha identidade.

Respondo: sou de esquerda, mas não sou filiado a nenhum partido político.

Tenho bons amigos e o meu melhor amigo é filiado e militante do PT.

Moro (do verbo morar, por favor!!!) em Curitiba.

Sempre acreditei na sua inocência, por isso sempre defendi a sua liberdade.

E quando dava ia até a vigília gritar: “bom dia, boa tarde, boa noite e Lula Livre”.

Sei que você recebeu milhares de cartas e também quis escrever algumas.

Confesso que a decisão de escrevê-las não foi coisa simples, pensei mais ou menos uns seis meses.

Bem, aí, você já sabe o resultado: escrevi várias e pedi para o Viomundo enviá-las. Elas foram entregues?

Sabe Lula, algumas pessoas diziam e dizem que eu estava plagiando o Henfil. Lembra das “Cartas de mãe”, do Henfil?

Confesso, não plagiei, imitei.

Lula, como é a última carta peço um pouco mais de paciência porque quero abordar vários temas. Tudo bem, né?

Pois um deles é sobre Curitiba. Você ficou aqui 580 dias e nas cartas anteriores eu quase não falei nada desta cidade.

Sabe Lula, nós temos um prefeito, Rafael Greca, que acredita em contos de fadas, mas não gosta de artistas.

É bom dizer: o Greca não gosta é de gente, povo, principalmente pobre, isso ele mesmo já confessou.

Ele até proibiu apresentação de artistas de rua!

Acho que ele quer fazer de Curitiba uma cidade triste e está conseguindo.

Da rua tirou a música, a dança, o canto e os risos e colocou — claro que o Temer, Bolsonaro, Beto Richa, Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e tantos outros ajudaram– milhares de pessoas a viverem nas ruas.

Lula, a cidade está muito triste, mesmo.

Há milhares de pessoas esperando consulta com especialistas, às vezes até um ano.

Faltam vagas nas creches e o pior, acabou de cortar vagas das creches conveniadas.

Isso sem falar que trata muito mal os funcionários públicos, tanto que quer congelar os salários por dois anos.

Aqui, está muito triste e difícil viver. Até para casar a moçada tem que pedir dinheiro nas esquinas.

O Greca odeia povo na rua. Dias antes de você chegar, ele pediu e um juiz concedeu um Interdito Proibitório, instrumento jurídico para impedir o povo de se manifestar em apoio a você.

O Greca gosta de asfalto. Gente ele quer longe e sem direitos.

Lula, agora, desculpe eu me meter onde não sou chamado.

Como te disse, tenho amigos no PT, inclusive meu melhor amigo.

Ele anda preocupado com o Congresso que vocês terão este mês — é o sétimo, não é?

Ele acha que o debate está muito aquém das necessidades do PT, assim como dos rumos que o partido vai dar à luta política.

O PT, segundo ele, tem que definir que tipo de regime nós, brasileiros, estamos vivendo atualmente: democracia, Estado de exceção ou ditadura.

Se não acertar na análise e tirar um bom programa de lutas, será difícil mobilizar o povo para derrotar o Bolsonaro.

Ele acha que não tem que esperar final de mandato.

Segundo ele também, tem que derrotar Bolsonaro e Mourão. Derrotar nas ruas e conquistar novas eleições.

Não sei o que acha, mas você terá um papel importante neste Congresso.

Agora, o último tema, é só um comentário sobre Nuestra América.

No Chile, já faz um mês que o povo na rua luta por direitos. Neste um mês, há dezenas de mortos, mulheres estupradas por policiais e membros das forças armadas. Há centenas de casos de tortura, milhares de pessoas feridas e presas.

Lula, que tristeza a Bolívia. Faz uma semana que um golpe derrubou Evo (teu amigo, né?) e Álvaro. Lá, em pouco tempo também já tem mais de uma dezena de mortos e centenas de presos e feridos.

O Equador, depois de grandes manifestações populares contra as politicas neoliberais de Lenin Moreno, parece que voltou a paz da repressão: perseguições e prisões políticas e o povo silenciado por cassetetes, bombas, balas e coturnos.

Na Colômbia, a repressão é tanta e tão longa que parece esquecida. São centenas de assassinatos políticos todos os anos.

Até qualquer dia.

Certamente nos encontraremos nas batalhas pela democracia e pela reconquista dos direitos roubados do povo brasileiro nos governos Michel Temer e Jair Bolsonaro.

Forte abraço

Jorge Sanches

PS. Obrigadíssimo a todos vocês do Viomundo por terem me ajudado a levar adiante essa empreitada. Com certeza também nos encontraremos nas ruas em defesa do Estado democrático de direito contra o autoritarismo crescente.

Fonte: Viomundo

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: