Por Zezé Weiss

Dona Flor é erveira famosa do povoado do Moinho, que fica no sopé de uma serra do município de Alto Paraíso de Goiás, na Chapada dos Veadeiros. Lá, dona Flor aguarda a chamada para os partos  caseiros – é dola experiente, por suas contas já fez 328 – e está a postos para mais um.

Enquanto espera para ajudar a trazer mais um ser humano ao mundo, Dona Flor vai cuidando do jardim, criando frangos e patos, fazendo farinha, geleias e doces, e preparando remédios caseiros, como o fortificante que batizou como “vinho de amora,” segundo a filha Deusa um eficiente protetor da próstata, e feito totalmente sem álcool.

Conhecida e respeitada por toda a comunidade, pra quem vem de fora, a chegada à casa de dona Flor é marcada pro uma placa rosa, onde anuncia os produtos caseiros que vende em uma lojinha improvisada em um cômodo separado, à frente da casa simples de alvenaria onde vive e trabalha.

Foto: Zezé Weiss

Semana passada andei pelo Moinho e não encontrei dona Flor. Na lojinha da casa, comprei de Deja um vinho de amora e alguns sabonetes de tingui. Já faz tempo que andava atrás do sabão de tingui da dona Flor porque, pelas notícias da rádio cipó, ainda é feito como nos tempos da minha avó Maria Feliciana, apenas com o fruto do tingui macerado e a diquada de cinza, feita em casa, sem nada de soda cáustica.

Desde criança, aprendi que o sabão de tingui (do tupi tingyia, o que embriaga peixes) cura coceira, seca ferida, corta seborreia, viça a pele,  fortalece o couro cabeludo e dá brilho nos cabelos. Na roça onde fui criada, na Fazenda Aldeia dos Índios, quase uma légua distante da pequena sede do município de São Francisco de Sales, nas Minas Gerais, não tinha essas coisas de criança ganhar presente, nem de fazer aniversário.

O primeiro presente que me lembro de ter ganhado, quado completei meus nove anos, foi uma bola bem preta e bem redonda de sabão de tingui. Lá por casa deu de dar umas perebeira danada nas crianças, os mais antigos diziam que por excesso da ingestão de manga e coco xodó, e vó Maria entendeu de curar as minhas com banhos diários tocados a sabão de tingui, que ela chamava de timbó.

Foto: Brasil Post

Encafifada com o tingui, essa semana voltei ao Moinho em um final de tarde. Encontrei dona Flor toda serelepe,  fazendo as unhas, cuidando da própria beleza. Como prosa de roça nunca segue em linha reta, antes de falar do sabão dona Flor me contou das duas vezes em que foi picada por cobra – uma por cascavel e outra por cobra coral, e de como se curou, ela mesma, com as ervas que aprendeu, com a avó indígena, a usar desde criança.

Soube também do curso de enema com plantas medicinais que vai ministrar na próxima semana em Cavalcante, outra cidadezinha histórica da Chapada dos Veadeiros. “Eu queria tanto que você participasse, porque com enema se limpa tanta coisa, limpa verme, limpa inflamação, limpa  até mioma…”, diz animada com a viagem e com a possibilidade de ensinar mais um tiquim à filha Deja, a quem está preparando para ser sua sucessora.

“Deja já está ótima na produção do vinho de amora, e agora em agosto vai pegar firme comigo na colheita do tingui”, diz dona Flor. Então me conta que no Goiás o tingui fica no ponto no mês de agosto, raras vezes no final de julho. Conta também que ainda tem energia para subir nas árvores enormes para balançar os galhos e derrubar os frutos, que depois coloca em sacos ou latas e carrega, ela mesma, pra casa.

Antes de fazer o fazer o sabão de tingui, dona Flor conta que é preciso preparar as sementes do Tingui (Magonia pubescens A. St. Hil. – Sapindaceae),  também conhecido como  “cuitê, mata-peixe, pau-de-tingui, timbó, timbó-do-cerrado, timpopeba, tingui-açu, tingui-capeta e tingui-de-cola” e a diquada, o líquido natural que substitui a soda cáustica na produção de sabão. 

Dos tempos da minha vó Maria, eu me lembro que se coloca cinza em uma lata com furos pequenicos, depois soca bem para ficar firme, depois vai colocando água aos poucos, e vai deixando curtir. Confiro com dona Flor e ela diz que é assim mesmo.

Pergunto, por fim, se faz uma quantidade grande, e se tem muito sabão pra vender. Ela me diz que depende da produção dos frutos, que no ano passado  a colheita foi fraca, e que portanto tem pouco sabão pra vender. Assim sendo, tratei logo de garantir o meu estoque até a produção deste ano que, segundo dona Flor, fica pronta em agosto.

Foto: Zezé Weiss

SOBRE O TINGUI                                                                                                                            

Fontes: Plantas que Curam / IbFlorestas/DM 

  • Troncos com diâmetros de até 39 cm; ritidoma de cor cinza ou amarelada, áspero, com depressões pequena e irregulares.
  • Copa com ramos terminais pilosos e acinzentados ou castanhos.
  • Folhas compostas; imparipinadas; alternas, espiraladas; com 5 a 11 folíolos alternos ou opostos; elípticos ou oblongos; de até 10 cm de comprimento e 5 cm de largura.
  • Flores de até 2 cm de diâmetro, com cinco pétalas livres, de cor esverdeada.
  • Floração: julho a setembro, com flores masculinas e femininas
  • Polinização: abelhas
  • Dispersão: vento
  • Germinação: taxa de até 96%, logo após a coleta
  • Propagação: sementes ou estacas de galhos e raízes.
  • Frutificação: agosto a novembro, na maior parte do Cerrado brasileiro
  • Frutos:  de até 10 cm de diâmetro; lenhosos; deiscentes, de cor marrom.
  • Sementes: de até 8 cm de diâmetro, aladas; de cor castanha; muitas por fruto
  • Habitat e distribuição: ocorre nos solos mais ricos no cerrado sentido restrito, cerradão mesotrófico e matas secas, no Distrito Federal e nos estados: Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Piaui, São Paulo e Tocantins. 
  • Uso:  árvore melífera. Frutos e sementes usados no artesanato. Madeira com densidade de 0,84g/cm3. Árvore tóxica para peixes e mamíferos.
  • Uso na medicina popular: sementes – úlceras; casca – feridas;  raízes – nervos. A cinza e as sementes servem para fabricar sabão. A resina da casca é tida como inseticida e usada contra piolhos.
  • Uso na Veterinária:  a infusão da casca é usada para curar úlceras de cavalos, originadas por picadas de insetos (Corrêa, 1979b). Essa infusão libera uma toxina utilizada para tinguijar (intoxicar) e capturar os peixes, usados na alimentação (Lima, 1977).

Foto: Flores do Cerrado

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Camiseta Elza Soares

Comentários

%d blogueiros gostam disto: