NOTA DE REPÚDIO DO CNS:

O Conselho Nacional das Populações Extrativistas – CNS, vem REPUDIAR à sociedade brasileira e aos movimentos sociais e ambientais da Amazônia, mais um ataque aos territórios das comunidades tradicionais, na mesma lógica de Ricardo Salles de “passar a boiada”, durante crise sanitária do covid19 no Brasil.

Trata-se da Reunião do presidente do ICMBio, Homero Cerqueira, realizada em Brasília -DF, no dia 16 de junho de 2020 com o vice-governador do Acre, Major Rocha (PSDB/AC) e parlamentares do Estado, Senador Márcio Bittar (MDB/AC), Deputada Federal Mara Rocha (PSDB/AC)  e o Deputado Estadual Luiz Gonzaga (PSDB/AC), representantes da bancada ruralista, que foram pedir apoio do governo de Jair Bolsonaro ao PL 6.024/2019 da deputada federal Mara Rocha, que propõe altera os limites da RESEX Chico Mendes, retirando da Unidade de Conservação quase 8 mil hectares das terras públicas, localizadas nos munícipios Assis Brasil, Brasiléia, Capixaba, Epitaciolândia, Rio Branco e Sena Madureira, para atender aos interesses dos produtores rurais e pecuaristas, que ocupam, ilegalmente, as terras públicas da Resex, e ainda propõe mudança na categoria do Parque Nacional da Serra do Divisor para Área de Proteção Ambiental – APA, um prejuízo sem tamanho a biodiversidade ecológica, que ficará sujeita à exploração ilegal madeireira, desmatamento e pecuária, além de uma ameaça para povos indígenas na região.

O ICMBio sob o comando do Ministro Ricardo Salles, segue atuando na Amazônia, em favor de quem é responsável pelo desmatamento na Amazônia: grileiros, madeireiros, garimpeiros e pecuaristas. E nesta reunião em Brasília com representantes ruralistas, afirmou que apresentará uma proposta de solução ao conflito na Resex Chico Mendes, em um mês, em plena pandemia, ignorando a luta do CNS e dos movimentos sociais que são contrários ao PL 6.024 em tramitação na Câmara dos Deputados.

Lutas do CNS e mobilizações dos movimentos sociais da Amazônia contra o PL 6.024/2019.

  1. Sessão Solene aos 30 anos da Resex Chico Mendes. No dia 11 de março de 2020, em BrasíliaDF, aconteceu a Sessão Solene, na Câmara dos Deputados, promovida pela Frente Parlamenta Ambientalista da Câmara dos Deputados, com apoio do Fórum Permanente em Defesa da Amazônia e organizações socioambientais da Amazônia: CNS, Comitê Chico Mendes, STTR de Xapuri, Memorial Chico Mendes, CONTAG, APIB, mais de 70 lideranças extrativistas e indígenas de toda Amazônia, que prestaram solenidade as Reservas Extrativistas, como modelo de conservação ecológica, sustentabilidade das comunidades tradicionais e reconheceram a luta e a história de líder sindical e ambientalista Chico Mendes, na criação do modelo de reserva sustentável de uso comum das comunidades tradicionais, e que não pode ser destruída por uma visão equivocada do governo federal com o meio ambiental. E todas as organizações socioambientais e sindicais participantes foram contrárias ao PL 6.024/2019.

  2. Indígenas e Extrativistas lançam Campanha Nacional e Internacional em Defesa dosTerritórios de Uso Comum da Amazônia. O CNS, o Fórum Permanente em Defesa da Amazônia, a APIB, e as organizações socioambientais da Amazônia lançaram em Brasília, no dia 11 de Março de 2020, durante a Sessão Solene na Câmara dos Deputados, com apoio dos deputados federais da Frente Parlamentar Ambientalista e de outras Bancadas a Campanha em Defesa dos Territórios de Uso Comum no Brasil e contra o PL 6.024/2019. É uma campanha para mobilizar a sociedade brasileira, o Congresso Nacional, a justiça (STF/MPF) no Brasil e organizações internacionais de outros países.

  3. Documento Manifesto assinando pelos movimentos socioambientais do Brasil ao Presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia, pedindo o arquivamento do PL 6.024/2019 da Deputada Federal Mara Rocha. Entregue e protocolado, durante audiência com o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o documento “manifesto da Amazônia” assinado pelas representações dos movimentos socioambientais, que pede o arquivamento do PL6.024/2019.

  4. Audiência Pública em Brasileia/Acre de discussão do PL 6.024/2019 com a participação das comunidades tradicionais da Resex Chico Mendes. A audiência aconteceu no dia 12 de março de 2020, com a participaram mais de 400 moradores da Resex Chico Mendes, e todos protestaram contra a diminuição da área da Resex, e bem como contra a tentativa de mudar a categoria do Parque Nacional do Divisor para Área de Proteção Ambiental – APA. E reafirmaram que os desmatadores cadastrados no ICMBio não devem ser anistiados, precisam pagar pelos crimes cometidos ou essas pessoas serão retiradas de dentro da Resex ou comprometem-se em recuperar a floresta que desmataram. Não é cabível e nem admissível discutir temas da regularização fundiária em plena pandemia.

A Câmara dos Deputados no PL 2633 da “Grilagem” de terras públicas, especialmente, na Amazônia, recuou de levar à frente o tema fundiário, pela crítica e pressão nas redes sociais dos movimentos e ativistas socioambientais de todo rasil. Na reunião do ICMBio com a comitiva de parlamentares e representantes do governo do Acre, expressa, claramente, a vontade política do Ministro de Meio Ambiente Ricardo Salles que articula medidas governamentais para “passar a boiada”, ou seja, “flexibilizar as leis ambientais” no País, uma posição política favorável a quem de forma ilegal, ocupou
terras públicas na Amazônia, por meio de “Grilagem” de terras.

A principal luta do CNS, hoje na Amazônia e em outras regiões do Brasil, em tempos de pandemia, é garantir a vida das populações extrativistas, que vivem nas comunidades tradicionais. A discussão sobre regularização fundiária e ocupação de terras públicas, precisam ser debatidas, amplamente. Não é nada democrático o governo federal, por meio do ICMBio, forçar medidas governamentais, ouvido apenas um lado dos envolvidos, e ainda mais grave, em plena pandemia, em que medidas de restrições de locomoção foram decretadas pelo Governo Estadual e Prefeituras do Acre em portos, rodovias e estradas, para assegurar o isolamento social e a saúde das pessoas, e evitar serem infectadas pelo vírus, motivadas por aglomerações, impedindo reuniões presenciais.

O MPF (6ª Câmara de Coordenação e Revisão) responsável pela Temática de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais, vem atuando por meio de um conjunto de recomendações que exige ações emergenciais coordenadas e integradas dos órgãos públicos – até agora não há nenhuma atuação do ICMBio, em ações de segurança alimentar e cuidados para proteger as comunidades tradicionais, vulneráveis ao vírus na Amazônia, seu papel institucional como órgão de meio ambiente – sobretudo, a prevenção da disseminação de doenças, mas também na garantia do pleno atendimento à saúde, e +pede ainda o controle sanitário das pessoas que ingressem nos territórios étnicos e comunidades tradicionais e a ampliação de política de distribuição de cestas básicas.

O CNS, mesmo em tempo de pandemia, com todos os cuidados sanitários necessários, irá mobilizar as Associações das Resex Chico Mendes e comunidades extrativistas, dos municípios Assis Brasil, Brasiléia, Capixaba, Epitaciolândia, Rio Branco e Sena Madureira diretamente atingidas com o PL 6.024/2019 da Deputada Federal Mara Rocha – a principal ameaça, hoje, a conservação da Resex Chico Mendes – para reagirem a proposta do ICMBio prometida à comitiva de parlamentares do Acre e ao governo do Estado.

O CNS conclama a sociedade civil brasileira, parceiros sociais e movimentossocioambientais indígenas e quilombolas da Amazônia e outras regiões do Brasil, para juntarem-se, nesta luta, em defesa da Resex Chico Mendes, denunciando em todo País às ameaças do governo federal por meio do ICMBio, do senador Márcio Bittar/MDB, da deputada Mara Rocha/PSDB, do deputado estadual Luz Gonzaga/PSDB e do Governo do Acre, que deveriam, em tempo de pandemia, priorizar suas ações públicas para garantir a “vida e saúde das famílias extrativistas” vulneráveis ao covid19, mas, ao contrário, aproveitam a pandemia para atacar os territórios das comunidades tradicionais e a conservação ambiental.

Xapuri (AC), 18 de junho de 2020.
Júlio Barbosa de Aquino
Presidente do CNS

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

2 Responses

Comentários

%d blogueiros gostam disto: