O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) distribuiu nota nesta quarta-feira, dia 5 de outubro, sobre o impacto do   aumento do desmatamento na Amazônia, anunciado pelo Inpe na semana passada.

De acordo com o IPAM, os resultados apresentados pelo Inpe acendem um sinal amarelo para a meta climática assumida pelo Brasil, que corre risco de não cumprir seu compromisso ambiental com respeito ao corte das emissões dos gases estufa.

Veja a nota do IPAM na íntegra:

O aumento do desmatamento na Amazônia, divulgado na semana passada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), acende um sinal amarelo na sociedade: a meta climática assumida pelo país, para cortar emissões de gases estufa, está em risco.

“O Brasil assumiu um compromisso internacional na Conferência do Clima, no ano passado, mas os números atuais indicam que estamos indo na direção contrária do que é necessário para cumprir o acordo”, afirma o diretor-executivo do IPAM, André Guimarães. Os dados estão em discussão hoje, em Brasília, em um evento promovido pelo Ministério de Meio Ambiente.

O desmatamento na Amazônia é o maior dos últimos quatro anos. De agosto de 2014 a julho de 2015, a taxa de corte raso foi de 6.207 quilômetros quadrados, o que representa um aumento de 24% em relação ao período anterior.

A mudança no uso da terra ainda é a principal causa da emissão dos gases estufa no Brasil. Com o desmatamento da floresta amazônica, o país coloca em xeque a ratificação do Acordo de Paris, que deve entrar em vigor em 30 dias.

Para mudar esse cenário, uma série de medidas é necessária. É preciso investir em fiscalização, principalmente das áreas não designadas, e monitoramento da aplicação de políticas públicas que incentivem a conservação.

Além disso, é preciso abraçar a discussão sobre o fim do desmatamento, tanto o legal quanto o ilegal. Um artigo científico recém-publicado por pesquisadores do IPAM e da Universidade Federal do Pará indica que há seis grandes obstáculos para que o desmatamento zero seja alcançado, e para cada um deles uma estratégia diferente precisa ser colocada em prática.

“O fim do desmatamento na Amazônia é urgente se quisermos ter um clima mais equilibrado e benéfico para a região, para a agricultura e para o país. Para chegar lá, será preciso ir além do comando e controle”, explica o pesquisador sênior do IPAM, Paulo Moutinho. “A conservação da floresta amazônica terá de ser compensada financeiramente. E o caminho mais promissor é o mecanismo de REDD+, atualmente em discussão no âmbito da Convenção de Mudança Climática da ONU.”

O IPAM propõe um sistema simples de distribuição de benefícios de REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal), chamado de “estoque-fluxo”. Por este sistema, os Estados que reduzirem as emissões por desmatamento e mantiverem as florestas conservadas seriam beneficiados.

“Nós temos competência, capacidade e determinação para que o desmatamento da Amazônia seja controlado e o Brasil seja um manancial de boas práticas na gestão de florestas”, diz Guimarães. “Ao unirmos todas essas características, o país pode ajudar o mundo no controle das mudanças climáticas.”

desmatamento-100porcentoaprendizagem-blog

Fotos: 100porcentodesmatamento.blog

ANOTE AÍ:

Mais informações para a imprensa:
Cristina Amorim – (61) 99127-6994, cristina.amorim@ipam.org.br
Karinna Matozinhos – (35) 99989-6666

O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) é uma organização científica, não governamental e sem fins lucrativos que há 21 anos trabalha pelo desenvolvimento sustentável da Amazônia, de modo a gerar prosperidade econômica, justiça social e a conservação da integridade funcional dos ecossistemas da região.

Conheça mais em ipam.org.br.

Deixe uma resposta