COVID-19, SARS, H1N1 – o que estas doenças têm a nos dizer sobre os problemas ambientais?

O que as doenças têm a nos dizer sobre os problemas ambientais?

Há grandes especulações sobre a origem do coronavírus. Alguns dizem que o vírus veio de morcegos, outros mencionam o pangolim — um animal que vive na região da China e cuja carne e pele são altamente apreciados pela gastronomia local, além de suas possíveis propriedades afrodisíacas. Há quem diga que ele é uma quimera (um monstro mitológico com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente, ou ainda, a combinação heterogênea ou incongruente de elementos diversos) entre um vírus selvagem e o vírus do HIV. O fato é que a maior parte dessas doenças é de origem animal e muitas delas vindas de animais silvestres.

Independentemente de valores culturais e éticos de alguns povos, vale ressaltar que a natureza é uma grande caixa-preta de microrganismos que nem sequer sabemos (ainda) que existem. Neste caso, ao adentrarmos esse grande quarto escuro, nós estamos sujeitos a encontrar vírus, bactérias e fungos que podem causar enfermidades para as quais nosso corpo não possui defesas.

Estudos publicados nos últimos 15 anos mostravam que havia enorme tendência do surgimento de novas doenças em função do tipo de alimentação de algumas populações, da destruição de habitats dos animais silvestres, do desmatamento, do crescimento populacional desordenado, da pobreza e do aquecimento global. Pois bem! É isso que estamos vivenciando. São as chamadas doenças emergentes em função desses fatores.  Dentre essas doenças, podemos destacar Ebola, AIDS/HIV, SARS, H1N1, gripe aviária, febre amarela, a famosa COVID-19, entre outras.

Por outro lado, temos uma boa notícia em meio ao caos. Podemos notar uma recuperação, uma sobrevida da natureza, mostrando sua enorme capacidade de resiliência. Vimos o reaparecimento de animais silvestres em algumas cidades em quarentena, melhoria da qualidade da água, redução da quantidade de poluentes na atmosfera e a consequente melhoria da qualidade do ar que respiramos. A pandemia da COVID-19 fez com que as atividades industriais diminuíssem consideravelmente. Há inúmeros cancelamentos de voos, reduzindo em cerca de 40% (de acordo com a Agência Espacial Europeia) as emissões de gases de efeito estufa e a poluição do ar em todo o mundo. Se há algo de positivo a tirar dessa terrível crise, pode ser o gostinho do ar puro que poderemos respirar em um futuro de baixo carbono.

O que podemos fazer para evitar situações como essas? Potencializar a comunicação entre ciência/cientistas com a população em geral. Implementar políticas públicas de saneamento básico, atuar no ensino com ênfase em educação socioambiental e em saúde pública desde os anos iniciais do ensino. Buscar o equilíbrio com o meio ambiente, respeitando a natureza e seus recursos e compreendendo que deve haver uma harmonia entre nós. Caso contrário, estaremos fadados a ser uma espécie em vias de extinção.

É sempre bom lembrar que nós, cidadãos, somos corresponsáveis pela disseminação da doença e, portanto, devemos nos cuidar e também pensar de forma coletiva. Para isso, adotar o uso de máscaras, evitar sair de casa sempre que possível, higienizar as mãos e tudo o que entra em nossos lares (cuidando para não gastar muita água) são formas de “achatar a curva” e determinar que esse período não se prolongue tanto.

Autor: Rodrigo Silva é biólogo, doutor em Ciências e coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do Centro Universitário Internacional Uninter

Comentários

%d blogueiros gostam disto: