Por Altair Sales Barbosa

Quando se analisa a rede hídrica que alimenta ou nasce em grandes e médios polos urbanos, há que se levar em consideração alguns fatores.  Aqueles que afetam a qualidade da água, são de “aparente” solução, dado que já existem tecnologias para o tratamento da água reutilizada.

Entretanto, outros fatores, além de serem de difíceis soluções, provavelmente nunca serão resolvidos, se o modelo econômico que motiva as expansões urbanas desordenadas não for solucionado radicalmente. E isso independe da boa vontade do gestor urbano e de seus técnicos.

O primeiro fator nesse sentido se refere ao desmatamento desenfreado das áreas de recargas dos aquíferos das águas superficiais urbanas, fato que provoca, no início, o desaparecimento das nascentes, em seguida, vem a diminuição da vazão e, no futuro, acontece o desaparecimento total do curso d’água.

Esse fator independe da boa vontade do gestor urbano, pois várias nascentes se situam fora do município do qual o agente é gestor, fato que exige uma ação integrada regional na busca de uma solução plausível, o que se torna difícil, por causa das diferenças ideológicas e das prioridades de cada município.

O segundo fator, que também independe ainda mais do gestor urbano, se refere ao fenômeno conhecido em Geografia Agrária como “desterritorialização”. Como consequência de uma política agrária nacional mal planejada, gerando uma migração em massa das populações rurais para as áreas urbanas.

Nas áreas urbanas, essa população migrante, que na sua maioria tem baixo poder aquisitivo, vai ocupar preferencialmente as margens dos córregos, criando problemas sociais, ambientais e de saúde, de difíceis soluções. Com o passar do tempo, essa população, nesses locais assentada, começa a fazer uma série de exigências para seu melhor bem-estar: pavimentação das áreas, linhas elétricas, prédios públicos para escolas e atendimentos de saúde, áreas de recreação etc.

Os problemas que surgem são tantos que não cabe enumerá-los neste espaço, mas é importante que se diga que não há Plano Diretor que consiga conter tais distorções. A pavimentação de novas áreas reduz drasticamente a infiltração das águas pluviais no solo, trazendo, num primeiro instante, enchentes catastróficas. Mas, com o tempo, vem a diminuição da vazão do curso de água, até o seu total desaparecimento. A pavimentação ainda provoca as ilhas de calor, com suas inúmeras consequências, inclusive as climáticas.

O CASO ESPECIAL DA CIDADE DE GOIÂNIA

A represa de abastecimento para a grande Goiânia, efetuada na sub-bacia do ribeirão João Leite, tornou-se uma obra necessária para atender a demanda das políticas que promovem as aglomerações urbanas concentradas, desordenadas e repentinas.

À primeira vista dá-se a impressão, para as pessoas leigas, que o problema de abastecimento de Goiânia foi e será resolvido. Isso é verdade, para quem pensa só no presente. Mas, em médio prazo, torna-se necessário que alguns pontos sejam levados em consideração:

  • A represa ocupa um pequeno relicto de uma área que historicamente vem sendo degradada, o antigo Mato Grosso Goiano, portanto uma área ambientalmente em desequilíbrio.
  • O desequilíbrio provocado pela transformação ambiental já trouxe várias epidemias de dengue e outras novas que em breve afetarão a região.
  • Basta analisarmos as consequências que a Biogeografia alerta sobre os desequilíbrios ambientais. A área coberta pela lâmina d’água transformou um ambiente lótico em bêntico.
  • Nesse ambiente o processo de sedimentação é lento, o que provoca a argilicificação do fundo do lago, impedindo que a água represada, abasteça os lençóis profundos, pois a argila é uma rocha impermeável.
  • A área de abrangência da represa inundou nascentes de pequenos córregos. Isso significa que as sufocou para sempre e que elas não mais alimentam a represa.
  • A vegetação sufocada pela água represada, em decomposição, provoca a liberação do metano, que contribui para o aumento do efeito estufa.
  • Como a represa não está sendo mais alimentada pelos seus originais alimentadores, pois muitos já desapareceram, passa a depender das águas das chuvas.

A instabilidade climática experimentada atualmente pelo Planeta, provocada por fenômenos naturais, poderá trazer situações inesperadas, ou de muita chuva ou de secas prolongadas, para a região.

Em ambos os casos, a situação merece o alerta adequado, pois trazem no seu bojo problemas imprevisíveis.

Altair Sales Barbosa – Pesquisador do CNPq e da Unievangélica, Anápolis-GO.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193 .

.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: