Planeta perde 40 campos de futebol de florestas tropicais por minuto  –

Em 2017, o Planeta perdeu florestas tropicais em nível equivalente a 40 campos de futebol por minuto. No Brasil, remoção de proteções ambientais impulsionou queimadas na Amazônia, afirmam especialistas.

A prática de incendiar áreas de florestas para abrir espaço para a agricultura e pecuária, desde a Amazônia até a Bacia do Congo, gerou em 2017 uma perda na cobertura arbórea global quase equivalente às dimensões do território da Itália, segundo estudo divulgado nesta quarta-feira (27/06) pelo World Resource Institute (WRI).

A perda, observada principalmente nas regiões tropicais, totalizou 294 mil quilômetros quadrados, ficando pouco abaixo do recorde de 297 mil registrado em 2016, afirmou o órgão de monitoramento Global Forest Watch, administrado pelo WRI em Washington.

“Perdemos florestas tropicais num ritmo equivalente a 40 campos de futebol por minuto” em 2017, afirmou Frances Seymour, do WRI, pouco antes do início de uma conferência, em Oslo, onde cerca de 500 especialistas discutirão estratégias para desacelerar o desflorestamento.

Com base em dados obtidos por satélites de observação, o WRI afirma que Brasil, República Democrática do Congo, Indonésia, Madagascar e Malásia sofreram as piores perdas em 2017.

“Vastas áreas continuam a ceder espaço para a produção pecuária, de soja, de óleo de palma e de outros bens comercializados globalmente”, disse Seymour. “Tentamos apagar um incêndio numa casa com uma colher de chá”, afirmou, sobre os esforços para proteger as florestas.

Apenas no Brasil, a redução da cobertura arbórea foi de 45 mil quilômetros quadrados, ou seja, 16% menos do que os níveis recorde de 2016. Segundo o estudo, grande parte dos incêndios no sul da Amazônia, responsáveis por uma porcentagem significativa do desflorestamento na região, foram provocados para dar espaço a plantações.

O estudo, porém, não menciona como as iniciativas de reflorestamento contribuem para aplacar essas perdas. Muitos países tentam plantar árvores como forma de atingir as metas estabelecidas no Acordo de Paris sobre o Clima de 2015, no qual quase 200 nações se comprometeram a limitar o aquecimento global em 2ºC.

O que tuítam as árvores na Alemanha

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) afirmou que a redução das florestas em todo o mundo desacelerou para 33 mil quilômetros quadrados por ano entre 2010 e 2015, com perdas anuais de 76 mil quilômetros quadrados compensadas por ganhos de 43 mil.

Os dados do Global Forest Watch medem “perda de cobertura arbórea”, ou a morte das folhas de uma árvore, e são mais pessimistas do que outros cálculos, por exemplo os da FAO, pois não levam em conta se as perdas são ou não permanentes. Os dados, porém, possibilitam um quadro mais completo sobre os abalos sofridos pelas florestas em todo o mundo.

Segundo o WRI, incêndios foram responsáveis por 31% da perda de cobertura arbórea na Amazônia brasileira em 2017 e elevaram as emissões de carbono a níveis próximos aos do início dos anos 2000, quando o índice de desflorestamento era bastante alto na região. Os incêndios ocorrem, parcialmente, por causa das mudanças climáticas, mas são, na maior parte, provocados por aqueles que querem utilizar a terra.

Segundo os especialistas do WRI, o fato de não se fazerem cumprir as proibições às queimadas e a outras formas de desflorestamento, além da redução das proteções ambientais levada a cabo pelo governo do presidente Michel Temer, são as causas prováveis do aumento de incêndios provocados artificialmente.

LIXO PLÁSTICO, UM DESAFIO PARA O PLANETA

Autoria: Jennifer Collins (md)

Fim à vista?

Medidas para tentar reduzir o plástico descartável já foram tomadas em alguns países africanos, como proibições de sacolas plásticas, e a União Europeia planeja proibir produtos plásticos descartáveis. Mas se as tendências atuais forem mantidas, cientistas acreditam que haverá 12 bilhões de toneladas de plástico no planeta até 2050.

A era do plástico

Leve, durável, flexível e muito popular. O mundo produziu 8,3 bilhões de toneladas de plástico desde o início da produção em massa, nos anos 50. Como o material não é facilmente biodegradável, muito do que foi produzido acaba em aterros como este, nos arredores de Nairóbi. Catadores de lixo caçam plásticos recicláveis para ganhar a vida. Mas muito também acaba no oceano.

 

Rios de lixo

Cerca de 90% do plástico entra nos habitats marinhos através de apenas dez rios: o Yangtzé, o Indo, o Amarelo, o Hai, o Nilo, o Ganges, o Pearl River, o Amur, o Níger e o Mekong. Esses rios atravessam áreas altamente povoadas, com falta de infraestrutura adequada para o descarte de resíduos. Aqui, um pescador nas Filipinas retira uma armadilha para peixes e caranguejos de águas poluídas.

 

Começo de vida plastificado

Alguns animais encontram uma utilidade para resíduos de plástico. Este cisne fez seu ninho no lixo em um lago de Copenhague que é popular entre os turistas. Seus filhotes saíram dos ovos rodeados de dejetos, o que não é um bom início de vida. Mas para outros animais, as consequências são muito piores.

 

Consequências fatais

Embora o plastico seja altamente durável e possa ser usado para produtos com longa vida útil, como móveis e tubulações, cerca de 50% da produção são destinados a produtos descartáveis, incluindo talheres e anéis usados em pacotes de seis unidades de latas de bebidas, que acabam no meio ambiente. Animais correm o risco de se enredar neles e morrer, como ocorreu com este pinguim.

 

Confundido com comida

Este filhote de albatroz foi encontrado morto em Sand Island, no Havaí, com vários pedaços de plástico no estômago. Um levantamento realizado em 34 espécies de aves no norte da Europa, Rússia, Islândia, Escandinávia e Groenlândia, apontou que 74% delas ingeriram plástico. Comer o material pode levar a danos nos órgãos e bloqueios no intestino.

 

Grandes vítimas

Mesmo os animais maiores sofrem os efeitos do consumo de plástico. Esta baleia foi encontrada na Tailândia. Durante a tentativa de salvamento, o animal vomitou cinco sacos plásticos e morreu. Na autópsia, os veterinários encontraram 80 sacolas de compras e outros dejetos plásticos que entupiam o estômago da baleia, de modo que ela não conseguia mais digerir alimentos nutritivos.

 

Dejetos invisíveis

Grandes pedaços de plástico na superfície do oceano, como é registrado aqui, na costa havaiana, chamam atenção. Mas poucos sabem que trilhões de minúsculas partículas com menos de 5 milímetros de diâmetro também flutuam nos mares. Essas partículas acabam na cadeia alimentar. O plâncton marinho, que é uma fonte importante de alimento para peixes e outros animais marinhos, já foi filmado comendo-as.

ANOTE AÍ

Fonte: DW – A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

One Response

Leave a Reply

Your email address will not be published.