A despeito do que difundiu seu opositor Octávio Augusto, Cleópatra era linda, muito inteligente, astuta, incentivadora das ciências, da medicina e das novas descobertas.

A mais famosa rainha do Egito governou sempre com um homem ao seu lado: seu pai, seu irmão Ptolomeu XIII, seu esposo e irmão Ptolomeu XIV (casou com os irmãos, por costume egípcio, embora nunca tenha tido uma relação marital com eles) e, depois, com seu filho. Contudo, a autoridade de governar era, de fato, dela.

Cleópatra era egípcia por nascimento, porém pertencia a uma dinastia macedônica. A última rainha da dinastia ptolomaica que dominou o Egito nasceu em 69 a.C., na cidade de Alexandria, fundada por Alexandre, o Grande. Era filha do rei Ptolomeu XII Auleta e da rainha Cleópatra V. Subiu ao trono egípcio aos 17 anos de idade, após a morte do pai. Seu nome completo era Cleópatra Thea Filopátor, que significou “Glória do pai”.

Cleópatra tinha uma grande preocupação com o luxo da corte e com a vaidade. Costumava enfeitar-se com joias de ouro e pedras preciosas (diamantes, esmeraldas, safiras e rubis), que encomendava de artesãos ou ganhava de pessoas próximas e familiares. Usou muito o lápis-lazúli em enfeites corporais.

Conta-se que utilizava leite de cabra em seus banhos e na ocasião da februália (precedente do carnaval moderno, que acontecia em fevereiro, em honra a Februs, deus associado à morte e à purificação) cobria-se de ouro em pó. Realçava sua beleza natural com forte maquiagem, com destaque para os olhos, sua marca registrada.

A rainha mais famosa do mundo era a perfeita combinação de beleza, espiritualidade, determinação e inteligência. Cleópatra foi considerada faraó, e nesta posição de deusa ela consumou sua ligação com Júlio César, o conquistador e, assim, solidificou sua ascensão ao trono.

Cleópatra era hábil estrategista e administradora, conhecida por sua educação. Ela podia ler, provavelmente, em dez ou doze línguas e era famosa por conduzir seus encontros diplomáticos na língua de seus interlocutores.

Antes de falecer em 51 a.C., Ptolomeu nomeou que seus filhos Cleópatra e Ptolomeu XIII deveriam reinar juntos como novos soberanos do Egito. Desde o início de seu reinado, Cleópatra compreendeu que Roma era a nova potência do Mediterrâneo e que, caso desejasse manter-se no poder, deveria manter relações amigáveis com ela.

Entretanto a ambição política e a influência dos preceptores de seu irmão e esposo forçam sua expulsão do Egito. A rainha não se dá por vencida e consegue juntar um pequeno exército de mercenários e regressa ao Egito para lutar contra o irmão.

Nessa época, Roma era representada por Pompeu, que foi vencido por César. Pompeu procura refúgio e é recebido por Ptolomeu XIII em Alexandria, que manda matá-lo para agradar a César que, horrorizado, recebeu de presente a cabeça de Pompeu.

Apesar de inimigos políticos, Pompeu tinha se casado com Júlia, a filha de César, que morreu dando à luz um filho de Pompeu. César então conquista Alexandria e decide resolver o conflito entre Ptolomeu XIII e Cleópatra.

Afastada do palácio real, Cleópatra desejava encontrar-se com Júlio César. O encontro se dá com o famoso episódio do tapete. Conta-se que, quando César chegou ao Egito, Cleópatra marcou um encontro com ele, para presenteá-lo com um tapete. Ao abri-lo, César encontrou a própria rainha em seu interior. Amaram-se nessa noite e em muitas outras.

Desse romance nasceu Ptolomeu XV César, o “Pequeno César” ou Cesário. César reconheceu a paternidade da criança, porém, recusou-se a torná-lo seu herdeiro. Em 46 a.C., a convite de César, Cleópatra instala-se em Roma, com o filho, fixando residência nos jardins do Janículo, próxima da então esposa de César (a terceira), Calpúrnia Pisônia.

Em Roma, Cleópatra elaborou o seu plano de hegemonia do Mediterrâneo. César ordenou que fosse colocada uma estátua de ouro de Cleópatra no templo da deusa Vênus Genetriz. César é assassinado. Cleópatra retorna ao Egito e executa o assassinato de seu irmão Ptolomeu XIV, no quarto ano do reinado dele, e no oitavo ano do reinado dela, e passou a reinar sozinha.

No ano de 42 a.C., Marco Antônio, um dos triúnviros que governava Roma após o vazio que a morte de César causou, convocou-a a encontrá-lo em Tarso para ela prestar contas a ele sobre a ajuda que dera a Cássio, um dos assassinos de César e, portanto, inimigo dos triúnviros.

Cleópatra chegou com grande pompa, navegando o Nilo em um barco com detalhes em ouro e tecidos nobres. A rainha convidou Marco Antônio para jantar e, no final do jantar, todos os utensílios, talheres e taças eram em ouro, e foram presenteados ao Triúnviro. Essa majestosa recepção e os atos sedutores de Cleópatra encantaram Marco Antônio. Apaixonaram-se, e desse amor nasceram os gêmeos Cleópatra Selene e Alexandre Hélio.

Depois de quatro anos afastados, reencontram-se, a paixão reacende entre eles, e Marco Antônio passa a viver com Cleópatra em Alexandria.  Marco Antônio era casado com Octávia, irmã do triúnviro Octávio, mas existem relatos que se casou com Cleópatra, segundo o ritual egípcio. Nasce mais um filho de Cleópatra: Ptolomeu Filadelfo.

Octávio conduz o senado romano a declarar-lhe guerra em 31 a.C. Derrotado em uma batalha naval, o casal é preso no palácio real e comete suicídio. Cleópatra deixa-se picar por uma serpente Naja. Marco Antônio mata-se usando a própria espada. É o fim do império ptolomaico. O Egito torna-se uma província romana. Sua morte evitou a humilhação de uma execução pública.

Octávio dizima a família da rainha. Mata os filhos, começando por Cesário Ptolomeu César. Alexandria deixou de ser um lugar dedicado ao saber, passando a ser uma mera província romana no Egito. Cleópatra teve sua vida contada através de livros, de filmes e até de desenho animado.

Mal vista e mal falada entre os romanos, adorada pelos egípcios, sua história de vida e de morte continuam sendo um grande mistério. Na verdade Cleópatra é como um mito, uma mulher bela, sedutora e poderosa, um ícone feminino. Uma força feminina que não pode ser apagada da história. Salve, Cleópatra!

Iêda Vilas-Boas
Escritora

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826. Camiseta Marielle

Leave a Reply

Your email address will not be published.