A despeito do que difundiu seu opositor Octávio Augusto, Cleópatra era linda, muito inteligente, astuta, incentivadora das ciências, da medicina e das novas descobertas.

A mais famosa rainha do Egito governou sempre com um homem ao seu lado: seu pai, seu irmão Ptolomeu XIII, seu esposo e irmão Ptolomeu XIV (casou com os irmãos, por costume egípcio, embora nunca tenha tido uma relação marital com eles) e, depois, com seu filho. Contudo, a autoridade de governar era, de fato, dela.

Cleópatra era egípcia por nascimento, porém pertencia a uma dinastia macedônica. A última rainha da dinastia ptolomaica que dominou o Egito nasceu em 69 a.C., na cidade de Alexandria, fundada por Alexandre, o Grande. Era filha do rei Ptolomeu XII Auleta e da rainha Cleópatra V. Subiu ao trono egípcio aos 17 anos de idade, após a morte do pai. Seu nome completo era Cleópatra Thea Filopátor, que significou “Glória do pai”.

Cleópatra tinha uma grande preocupação com o luxo da corte e com a vaidade. Costumava enfeitar-se com joias de ouro e pedras preciosas (diamantes, esmeraldas, safiras e rubis), que encomendava de artesãos ou ganhava de pessoas próximas e familiares. Usou muito o lápis-lazúli em enfeites corporais.

Conta-se que utilizava leite de cabra em seus banhos e na ocasião da februália (precedente do carnaval moderno, que acontecia em fevereiro, em honra a Februs, deus associado à morte e à purificação) cobria-se de ouro em pó. Realçava sua beleza natural com forte maquiagem, com destaque para os olhos, sua marca registrada.

A rainha mais famosa do mundo era a perfeita combinação de beleza, espiritualidade, determinação e inteligência. Cleópatra foi considerada faraó, e nesta posição de deusa ela consumou sua ligação com Júlio César, o conquistador e, assim, solidificou sua ascensão ao trono.

Cleópatra era hábil estrategista e administradora, conhecida por sua educação. Ela podia ler, provavelmente, em dez ou doze línguas e era famosa por conduzir seus encontros diplomáticos na língua de seus interlocutores.

Antes de falecer em 51 a.C., Ptolomeu nomeou que seus filhos Cleópatra e Ptolomeu XIII deveriam reinar juntos como novos soberanos do Egito. Desde o início de seu reinado, Cleópatra compreendeu que Roma era a nova potência do Mediterrâneo e que, caso desejasse manter-se no poder, deveria manter relações amigáveis com ela.

Entretanto a ambição política e a influência dos preceptores de seu irmão e esposo forçam sua expulsão do Egito. A rainha não se dá por vencida e consegue juntar um pequeno exército de mercenários e regressa ao Egito para lutar contra o irmão.

Nessa época, Roma era representada por Pompeu, que foi vencido por César. Pompeu procura refúgio e é recebido por Ptolomeu XIII em Alexandria, que manda matá-lo para agradar a César que, horrorizado, recebeu de presente a cabeça de Pompeu.

Apesar de inimigos políticos, Pompeu tinha se casado com Júlia, a filha de César, que morreu dando à luz um filho de Pompeu. César então conquista Alexandria e decide resolver o conflito entre Ptolomeu XIII e Cleópatra.

Afastada do palácio real, Cleópatra desejava encontrar-se com Júlio César. O encontro se dá com o famoso episódio do tapete. Conta-se que, quando César chegou ao Egito, Cleópatra marcou um encontro com ele, para presenteá-lo com um tapete. Ao abri-lo, César encontrou a própria rainha em seu interior. Amaram-se nessa noite e em muitas outras.

Desse romance nasceu Ptolomeu XV César, o “Pequeno César” ou Cesário. César reconheceu a paternidade da criança, porém, recusou-se a torná-lo seu herdeiro. Em 46 a.C., a convite de César, Cleópatra instala-se em Roma, com o filho, fixando residência nos jardins do Janículo, próxima da então esposa de César (a terceira), Calpúrnia Pisônia.

Em Roma, Cleópatra elaborou o seu plano de hegemonia do Mediterrâneo. César ordenou que fosse colocada uma estátua de ouro de Cleópatra no templo da deusa Vênus Genetriz. César é assassinado. Cleópatra retorna ao Egito e executa o assassinato de seu irmão Ptolomeu XIV, no quarto ano do reinado dele, e no oitavo ano do reinado dela, e passou a reinar sozinha.

No ano de 42 a.C., Marco Antônio, um dos triúnviros que governava Roma após o vazio que a morte de César causou, convocou-a a encontrá-lo em Tarso para ela prestar contas a ele sobre a ajuda que dera a Cássio, um dos assassinos de César e, portanto, inimigo dos triúnviros.

Cleópatra chegou com grande pompa, navegando o Nilo em um barco com detalhes em ouro e tecidos nobres. A rainha convidou Marco Antônio para jantar e, no final do jantar, todos os utensílios, talheres e taças eram em ouro, e foram presenteados ao Triúnviro. Essa majestosa recepção e os atos sedutores de Cleópatra encantaram Marco Antônio. Apaixonaram-se, e desse amor nasceram os gêmeos Cleópatra Selene e Alexandre Hélio.

Depois de quatro anos afastados, reencontram-se, a paixão reacende entre eles, e Marco Antônio passa a viver com Cleópatra em Alexandria.  Marco Antônio era casado com Octávia, irmã do triúnviro Octávio, mas existem relatos que se casou com Cleópatra, segundo o ritual egípcio. Nasce mais um filho de Cleópatra: Ptolomeu Filadelfo.

Octávio conduz o senado romano a declarar-lhe guerra em 31 a.C. Derrotado em uma batalha naval, o casal é preso no palácio real e comete suicídio. Cleópatra deixa-se picar por uma serpente Naja. Marco Antônio mata-se usando a própria espada. É o fim do império ptolomaico. O Egito torna-se uma província romana. Sua morte evitou a humilhação de uma execução pública.

Octávio dizima a família da rainha. Mata os filhos, começando por Cesário Ptolomeu César. Alexandria deixou de ser um lugar dedicado ao saber, passando a ser uma mera província romana no Egito. Cleópatra teve sua vida contada através de livros, de filmes e até de desenho animado.

Mal vista e mal falada entre os romanos, adorada pelos egípcios, sua história de vida e de morte continuam sendo um grande mistério. Na verdade Cleópatra é como um mito, uma mulher bela, sedutora e poderosa, um ícone feminino. Uma força feminina que não pode ser apagada da história. Salve, Cleópatra!

Iêda Vilas-Boas
Escritora

Anúncios

Comentários