A invenção do “Bruxo do Cosme Velho”

Nos 113 anos de morte de Machado de Assis, jornalista descobre origem do apelido do escritor…

Por C. S. Soares/Brasil de Fato

Na literatura brasileira, certos apelidos ficaram famosos: o “Príncipe dos Poetas” era Bilac; a “Hermética”, Clarice; o “Poeta Menor”, Bandeira; o “Poetinha”, Vinicius; e o “Boca do Inferno”, Gregório de Matos. Machado de Assis recebeu o mais célebre desses epítetos, o “Bruxo do Cosme Velho”, sendo Carlos Drummond de Andrade, o “Gauche”, apontado frequentemente como seu inventor. Trata-se, no entanto, de um equívoco que acabou se popularizando e até hoje é repetido.

“Devo reconhecer (…) que não me cabe a paternidade da apelação ‘bruxo do Cosme Velho’, dada a Machado de Assis”, confessou o poeta mineiro na crônica de 11 de setembro de 1964, no Correio da Manhã. Era uma resposta à referência que, meses antes, o acadêmico Alceu Amoroso Lima lhe fizera no discurso de saudação a Gilberto Amado na Academia Brasileira de Letras:

“Mas de um despojamento diverso, igualmente, do empregado pelo ‘bruxo do Cosme Velho’, como o denominou Carlos Drummond de Andrade no seu poema imortal”. 

 


Machado de Assis morreu em 29 de setembro de 1908 / Reprodução

No entanto, antes de Drummond, o poeta gaúcho Augusto Meyer já havia usado o tal apelido, mas também não era o criador do epíteto. Ao ser consultado por Drummond, Meyer lhe contou que outro gaúcho, o crítico literário Moysés Vellinho, em “um momento de inspiração”, já o tinha registrado em um “antigo ensaio integrado em livro”. 

O  livro era Letras da província, lançado pela Livraria do Globo, de Porto Alegre, em 1944. Na p. 46, o crítico comenta (sobre o próprio Augusto Meyer, um “machadiano” ferrenho): 

“Convicções novas rondavam-lhe o espírito, impondo-lhe o dever de penitenciar-se de um pecado tão gave quanto fora grande a delícia que nele sentira – o pecado de haver mergulhado os sentidos e o pensamento nos perigosos filtros que o bruxo do Cosme Velho sabia propinar com arte sorrateira e amável.”


Crítico literário Moysés Vellinho, em “um momento de inspiração”, registrou apelido no livro “Letras da província”, lançado em 1944 / Divulgação

Daí, pois, é justo que se reconheça: a Vellinho o que é de Vellinho. 

continua depois da propaganda

Ainda assim, não se pode negar que o apelido só se popularizou com a publicação do poema de Drummond “A um bruxo com amor”, em 28 de setembro de 1958, no Correio da Manhã, e republicado depois, com alterações, no livro Poemas, de 1959. Curiosamente, no poema não aparece a expressão “bruxo do Cosme Velho”, apenas as palavras “bruxo” e “Cosme Velho” em versos separados.

Por fim, vale um reconhecimento: o primeiro a divulgar o apelido na imprensa foi o jornalista alagoano Valdemar Cavalcanti, em pelo menos três ocasiões, na coluna literária de O Jornal, nos últimos meses de 1958. A partir daí, o “Bruxo do Cosme Velho” passou a se confundir com o nome de Machado de Assis.

C. S. Soares é escritor e jornalista.

Slide 1

VISTA NOSSA CAMISA
FORTALEÇA NOSSO PROJETO

DOAÇÃO - PIX: contato@xapuri.info

continua depois da propaganda
continua depois da propaganda