fbpx

Antigamente não existia água no mundo… A lenda da água 

Por Sepé Kuikuro

Antigamente não existia água no mundo. Havia somente um homem, chamado Sagakagagu, que tinha seis cabaças de água.

O deus Taũgi foi procurar esse homem, pois diziam que ele vivia muito melhor do que todos os outros seres. Taũgi procurou o dono da água, até que chegou na aldeia onde Sagakagagu morava. O dono da água falou:

– Taũgi, você chegou?

– Eu cheguei.

– O que você quer comigo?

– Eu venho atrás do senhor para lhe pedir pelo menos uma cabacinha de água.

– Senhor Taũgi, eu tenho água aqui, mas não é água boa para tomar banho. Eu tenho água salgada e água doce.

O dono da água, Sagakagagu, não queria mostrar a água para Taũgi.

Taũgi já tinha percebido que ele não queria lhe dar a água.

No dia seguinte, o deus Taũgi quebrou todas as cabaças de água que estavam penduradas na casa do dono da água. Então, apareceu o mar, que tem água salgada, e os igarapés, os lagos, os rios e as lagoas de água doce. A água se espalhou pelo Brasil e pelo mundo inteiro.

Foi assim a origem da água no Brasil. Quem trouxe a água para nós foi o deus Taũgi.

Sepé Kuikuro – em “Livro das Águas Índios do Xingu”, 2002. Narrativa mítica do povo indígena Kuikuro, que vive no Parque Indígena do Xingu, sobre a origem das águas no Brasil.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuriinfo.dream.press. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

loja Xapuri camisetas

Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

Réquiem para o Cerrado

Anúncios