A Lenda da Salamanca de Jarau – Séculos atrás, quando caiu o último reduto árabe na Espanha, uma princesa moura veio fugida em uma urna de Salamanca, transfigurada em uma velha, para que não fosse reconhecida e aprisionada. Acabou indo morar no Cerro do Jarau, Quaraí, no Rio Grande do Sul.

Falam que ela foi enfeitiçada pelo próprio Diabo Vermelho, o Anhangá-Pitã, pois a bela também se transforma em uma Teniaguá, uma espécie de lagartixa, com uma pedra preciosa cintilante no lugar da cabeça, cor de rubi, para fascinar os homens e os atrair ao inferno.

Num certo dia, com um sol de rachar, um sacristão jesuíta foi à lagoa refrescar-se e, num susto, deparou-se com a Teiniaguá saindo d’água. Como homem religioso, sabia que era uma princesa moura e, num gesto rápido, aprisionou-a numa guampa e esperou a noite chegar para vê-la. Quando o sol baixou, a princesa moura apareceu com um lindo sorriso rubro pedindo vinho. Vinho? Só o da santa missa. Já apaixonado, roubou o vinho sagrado e assim, bebendo e amando, eles passaram a noite.

E as noites de repetiam felizes até que, os padres desconfiaram e, numa madrugada invadiram a cela do sacristão. A princesa transformou-se em Teiniaguá e fugiu para as barrancas do rio Uruguai, mas o moço, embriagado pelo vinho e de amor, foi preso e acorrentado. Condenado a morte no garrote vil, na praça, diante da igreja, já para ser executado, a Teiniaguá surgiu de baixo da terra para salvar seu amado. O que se viu foi um estouro grande, parecia que o mundo inteiro vinha abaixo. Houve fogo, fumaça, enxofre e tudo desapareceu de vista.

Descobriram depois, que a princesa e o sacristão viviam numa caverna muito funda e comprida, hoje conhecida como Salamanca do Jarau. Quem tivesse coragem de entrar lá, passasse 7 provas e conseguisse sair, ficava com o corpo fechado e com sorte no amor e no dinheiro para o resto da vida.

(Essa lenda nos foi lembrada por: Fernando Tissi e Valquíria – DF)

Fonte: Sacizal dos Pererês


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

continua depois da propaganda

continua depois da propaganda