Dia do Saci: por que comemorar (ou não) a lenda brasileira no Dia das Bruxas

Deveria existir uma discussão sobre comemorarmos o Dia do Saci e não o Dia das Bruxas (Hallowen). Conheça mais sobre esse menino travesso e brasileiro

LARISSA LOPES

Você sabia que, além do Dia das Bruxas, comemora-se em 31 de outubro o Dia do Saci? A ideia surgiu em 2003, ano em que o deputado Aldo Rebelo propôs o projeto de lei federal n.º 2.762, que defendia a celebração de figuras do folclore brasileiro no lugar de mitos da cultura estrangeira.

No mesmo ano, foi criada a Sociedade dos Amigos do Saci (Sosaci), composta por um público diverso de pesquisadores do folclore nacional até pessoas que juram já ter encontrado o personagem saracuteando pelas matas.

Na época, o PL foi arquivado, mas desde então diversas cidades e estados (inclusive São Paulo, que aprovou a data em 2004) aderiram à comemoração do Saci Pererê. Em 2017, o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) lançou uma nova proposta. “A data… parece-nos pertinente. A comemoração do Halloween no Brasil – como tantas outras celebrações da cultura norte-americana de forte apelo comercial – tem atraído um número cada vez maior  de jovens e crianças. Criar, na mesma data, o Dia do Saci é, portanto, uma forma de oferecer à juventude brasileira a alternativa de festejar as manifestações de sua própria cultura”, defendeu o político em entrevista à Revista Época.

A ideia, porém, também tem seus críticos. “Quando você tentar impor uma data por decreto, você pode estar incorrendo em um erro, porque, no tocante à tradição popular, ela se fixa justamente pela espontaneidade, pela repetição, pela persistência e pelo anonimato”, explica Marco Haurélio, escritor, professor e pesquisador da literatura de cordel e do folclore brasileiro. Além disso, o estudioso também recorda que o Halloween não foi uma data criada pelos Estados Unidos, apesar de ser muito popular no país.

“Há um substrato celta, escocês e gaélico na comemoração de Dia das Bruxas”, afirma. “Até hoje, a data carrega um pouco da alma dessas culturas que, de certa forma, também tiveram influência sobre as culturas e mitologias do norte de Portugal e da Espanha, que são mais próximas a nós”, diz Marco.

A própria lenda do Saci também é uma amálgama de mitos e influências distintas, com dezenas de versões diferentes espalhadas por todo o Brasil. Em um mesmo folclore, é possível encontrar referências da Grécia Antiga até a cultura árabe. “É o mito brasileiro mais complexo que temos, por conta de todas essas convergências”, diz o pesquisador. Confira alguns paralelos levantados por Marco Haurélio sobre o personagem:

1. Já parou para pensar que tanto o Saci quanto o Gênio da Lâmpada são obrigados a servir alguém? A servidão está presente em ambos personagens, mas de formas distintas. Enquanto o gênio serve a quem o liberta, o Saci fica à mercê de quem pega o seu gorro vermelho.

2. No século 19, os Irmãos Grimm já haviam escrito escrito o conto “O espírito na garrafa”, que lembra alguns dos elementos presentes na lenda do Saci Pererê, que também pode ser engarrafado.

continua depois da propaganda

3. O personagem se tornou popular a partir de sua aparição nas aventuras de O sítio do picapau amarelo, de Monteiro Lobato. Assim, o Saci ficou conhecido como o menino negro, traquina, de uma perna só e fuma cachimbo. Em outras versões da mesma lenda, o personagem possui as mãos furadas ou, ainda, só metade do corpo pode ser vista. “A partir da obra de Lobato, as pessoas começaram a vê-lo de uma única forma, distanciando-se do Saci que habita o imaginário dos povos tradicionais”, explica Marco Haurélio.

Fonte: Revista Crescer



Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

continua depois da propaganda

 

 
continua depois da propaganda