Metáforas Caboclas: Uma imersão nos ditos populares de Rondônia

Por Yêdda Pinheiro Borzacov

O povo, através dos tempos, tem cunhado ditos que são verdadeiros fragrantes da vida. O povo da Amazônia usa, geralmente, a forma comparativa nas suas metáforas, revelando vivacidade e inteligência aguçadas.

O caboclo sabe, como ninguém, surpreender o ridículo dos homens e das coisas, imprimindo nos seus ditos o traço, o acento burlesco, transformando-os em autênticas joias da literatura oral.

Não é tarefa fácil fazer o balanço da linguagem popular de uma região ou estado. A primeira dificuldade, como acontece com a história em geral, consiste em separar uma linguagem, tipicamente rondoniense – coisa praticamente impossível-, da linguagem amazônica e nordestina. O que se observa nitidamente é que os nossos ditos são quase os mesmos de toda a Amazônia e do Nordeste, embora, no espaço e no tempo, surjam versões e variantes.

Para ilustrar esta crônica, selecionei alguns exemplos que correm de boca em boca em Rondônia:

  • Só quer ser trinta e um de fevereiro“, ou “só quer ser o que a folhinha não marca“, expressões utilizadas para indicar gente orgulhosa, que se julga melhor que as demais;
  • Sofre que nem sovaco de aleijado“, equivalente a uma pessoa que vive sofrendo;
  • Nasci nu e já estou vestido“, quer dizer que ao nascer não tinha bens materiais, porém como conseguiu algum, já se sente realizado;
  • Dobrou o Cabo da Boa Esperança“, alusão de que a pessoa já está velha, impedida de realizar algum feito;
  • É hora da onça beber água“, quer dizer que o momento esperado chegou;
  • Jogar verde pra colher maduro“, expressão que indica quando uma pessoa faz perguntas capciosas procurando descobrir algo;
  • Mistura alhos com bugalhos“, diz-seda pessoa que mistura a informação certa com a incorreta;
  • Vá pro quinto dos infernos“, expressão usada quando não se quer saber do indívuduo com quem se conversa;
  • Dar nome aos bois“, alusão às pessoas que realmente realizaram o feito e não são lembradas;
  • Praga de urubu não mata cavalo gordo“, alude que o mal que um inimigo deseja não atinge o alvo;
  • Por as cartas na mesa“, esclarecer algo, tirar todas as dúvidas;
  • Liso que nem caminho de cobra“, ou “está na pindaíba“, ditos que traduzem a falta de dinheiro do indivíduo;
  • Deu com os burros n´água” significa que a pessoa errou;
  • Tirar o cavalinho da chuva“, expressão usada para aconselhar a pessoa para perder a esperança do que almeja;
  • Macaco velho não põe a mão em cumbuca“, isto é, uma pessoa experiente tem prudência em realizar um feito ou tomar uam atitude;
  • Estou de orelha em pé“, quer dizer, fiquei atento;
  • Tem boi na linha“, dito exclamado quando há desconfiança;
  • Dar com o nariz na porta“, significa fazer uma visita e não encontrar ninguém na residência visitada;
  • Muito cacique pra pouco índio“, expressão usada quando tem muita gente pra mandar e pouca gente pra excecutar;
  • Conversa pra boi dormir“, significa conversa tola, jogada fora;
  • Chove mas não molha“, diz-se quando uma pessoa remancha para resolver um negócio;
  • Dar com a língua nos dentes“, quando a pessoa fala o que não deve;
  • “Engoliu sapos e lagartos”, isto é, engoliu desaforos;
  • “Estou com um pulga atrás da orelha”, significa que desconfio de alguma coisa;
  • Falar cobras e lagartos”, corresponde a dizer xingamentos (…)

A lista continua, ainda, interminável: “à noite todos os gatos são pardos“, “dois bicudos não se beijam“, “quando um não quer, dois não brigam“, “em tempos de vacas magras, urubu anda de banda“…

Fonte: A crônica “Metáforas Caboclas” encontra-se no livro Rondônia Cabocla, da escritora rondoniense Iêdda Pinheiro Borzacov, publicado em 2002 pela Academia de Letras de Rondônia/Instituto Histórico e Geográfico de Rondônia – IHG/RO, aqui publicada com pequenas edições da Redação Xapuri.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

ASSINE AQUI

Comentários

%d blogueiros gostam disto: