Finados Balaios de Cruz das Almas

Por: TEXTO: JOSÉ GIL BARBOSA TERCEIRO/Causos Assustadores do Piaui

A Balaiada, chamada ainda Guerra dos Bem-te-vis, foi a mais longa e numerosa revolta popular iniciada no Maranhão, que teve início em 13 de dezembro de 1838 e durou até o ano de 1841.

Ali, a revolta foi liderada por homens pobres, mestiços e também escravos, devido ao sentimento de opressão que sentiam em relação aos prefeitos, cargo criado por uma administração conservadora do presidente da província Camargo.

Pediam eles o direito à cidadania e à propriedade da terra, buscando o fim de novas arbitrariedades instituídas pelas oligarquias regionais que haviam subido ao poder após a proclamação da independência, além do fim de recrutamentos violentos.

Com essas reivindicações, os revoltosos enfrentavam os grandes latifundiários, senhores de escravos, autoridades provinciais e comerciantes, bem como um sem-número de jagunços a serviço destes.

O movimento dispersou-se, após uma tentativa frustrada de invasão da capital da província, São Luís, onde os balaios sofreram forte repressão de um destacamento da Guarda Nacional, e alcançou as províncias do Piauí e, em menor escala, o Ceará.

Com a chegada dos rebeldes ao Piauí, a camada pobre adere ao movimento, pois estavam insatisfeitos com o governo de Sousa Martins. A primeira batalha em território piauiense acontece em Barra do Rio Longá, em fevereiro de 1839.

Diferentemente do que ocorreu no Maranhão, a Balaiada no Piauí ganha o apoio pessoas tidas como gradas, fazendeiros abastados e famílias da aristocracia que faziam oposição à elite a que se opunham os balaios lutaram ao lado dos anônimos rebeldes, cabras, vaqueiros e agregados miseráveis.

Há quem diga que a Balaiada piauiense – caso inédito em nossa História! – constituiu-se na cisão das oligarquias a se digladiarem ferozmente, arrastando consigo a multidão de cabras, vaqueiros e agregados transformados em combatentes. E, nesse engajamento geral, apenas os escravos não participaram diretamente da luta.

Assim, enquanto no Maranhão o movimento era liderado pelas camadas pobres da sociedade, no Piauí, a elite oposicionista, aproveita os ideais e a onda revolucionária, para fazer com que os pobres ajam, em conjunto com eles, em defesa de seus interesses.

Muitas cidades piauienses – Piracuruca, Parnaíba, Vila do Poti, Estanhado (União), povoado de Frecheiras, Parnaguá, Ribeiras, vales do Gurguéia, Gilbués, Jerumenha, Uruçuí, Paraim, Jaicós, São Gonçalo e Príncipe Imperial (Crateús, hoje do Ceará), Curimatá e Egito (Campo Maior), são ocupadas pelos “rebeldes”. A exceção é a capital Oeiras.

Houve conflitos em muitas outras cidades, inclusive, no que nos interessa no momento, em Cristino Castro, na região hoje conhecida como Cruz das Almas, que fica a cerca de 3 Km da zona urbana da cidade, na BR-135, Km 322, saída para Bom Jesus.

Ali existe hoje uma capela dedicada a Santo Antonio e, próximo dela, podem ser vistos alguns túmulos. O que se sabe é que no século XIX o lugar foi palco de um intenso conflito entre os balaios piauienses e seus adversários, de modo que muitos corpos estariam enterrados ali, alguns sem sepultura indicando o local. Ainda perto do templo religioso há uma área cercada por uma mureta na qual se vêem cruzes de madeira.

O que o povo de Cristino Castro conta é que, como aquelas pessoas morreram em intenso sofrimento, em meio a um conflito em que defendiam (ao menos em tese) ideais justos, teriam sido purgadas de seus pecados, elevando suas almas a um nível de santidade de tal modo, que passaram a ser considerados mártires milagrosos.

Assim, visitam o lugar para fazer promessas a fim de alcançarem graças em momentos de aflição, visando curas e soluções para outros problemas e aflições. Em agradecimento, ao receberem as graças solicitadas, acendem velas e depositam ex-votos no lugar.

Algumas pessoas, dotadas de sensibilidade mediúnica, dizem, inclusive, ver os espíritos dos balaios, protetores da gente daquela cidade, vagando por ali. Alguns, diante da aparição, chegam a sentir medo, acreditando serem almas penadas, mas os devotos, que frequentam a região assiduamente, sabem que se tratam de espíritos guardiões. Mesmo depois de tanto tempo desencarnados, os espíritos dos sertanejos balaios, ainda persistem em ajudar os cristino-castrenses.

Bibliografia:

BRANDIM, Sérgio Romualdo Lima. ROMEIRO E FÉ: UM ESTUDO SOBRE O SANTUÁRIO DE SANTA CRUZ DOS MILAGRES. Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em História, do centro de Ciências Humanas e Letras, da Universidade Federal do Piauí, para obtenção do Grau de Mestre em História do Brasil. Orientador: Prof. Dr. Antônio de Pádua Carvalho Lopes. Teresina, PI: UFPI, 2007.

FORTES, José; FORTES, Juliana. O Piauí e a Balaida (1838-1841). Meio Norte, 12 de junho de 2011. Disponível em: <https://www.meionorte.com/blogs/josefortes/a-balaiada-foi-uma-revolta-de-carater-popular-168688>. Acesso em 29 de maio de 2019.

FORTES, José; FORTES, Juliana. A Balaiada foi uma revolta de caráter popular. Meio Norte, 09 de setembro de 2009. Disponível em: <https://www.meionorte.com/blogs/josefortes/o-piaui-e-a-balaiada-1838-1841-99304>. Acesso em 29 de maio de 2019.

TEMPORAL, Calebe. Histórias de ‘trancoso’ de Cristino Castro. Catinga de Porco, 30 de novembro de 2010. Disponível em: <https://www.catingadeporco.com.br/2010/11/historias-de-trancoso-de-cristino_30.html>. Acesso em 29 de maio de 2019.

VERAS, Rosângela Mourão. A BALAIADA NO PIAUÍ: UMA ANÁLISE A PARTIR DO LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA. In: ANPUH – XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – João Pessoa, 2003.

WIKIPÉDIA. Balaiada (verbete). Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Balaiada>. Acesso em 29 de maio de 2019.

Fonte: Matéria (texto e imagem) publicada originalmente em https://causosassustadoresdopiaui.wordpress.com/2019/05/29/finados-balaios-de-cruz-das-almas/

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: