Oxum é Deusa do amor, da beleza, da fertilidade, do dinheiro, do ouro e das pedras preciosas. É a Orixá do amor, da prosperidade, das riquezas espirituais e materiais da vida, da sensibilidade, da sabedoria, do jogo de Búzios e do empoderamento feminino 

Por Iêda Vilas-Bôas e Reinaldo Filho Vilas Boas Bueno

 Falar da Yabá Oxum, neste momento desafiador em que estamos vivendo, é como sermos presenteados com flores, com lírios amarelos e um dulcíssimo pote de mel, e ter dela a permissão de compartilhar dessa doçura com vocês!

O nome Oxum vem do Yorubá: Osun, Oshun ou Ochun. É uma Yabá (orixá feminina) que reina sobre as águas doces, rios e cachoeiras. É a deusa do rio Oxum, que fica no Sudoeste da Nigéria e corre, também, pelas terras de Ijexá e Ijebu.

Esta Orixá está ligada às riquezas espirituais e materiais da vida, da sensibilidade, da sabedoria, do jogo de Búzios e do empoderamento feminino. Oxum é cultuada como rainha da nação Ijexá. Tem o título de Iyálodê: a grande mãe entre os orixás.

Deusa da beleza, Oxum é a Orixá do amor, da prosperidade, da fertilidade e da maternidade. É responsável pela proteção dos fetos e das crianças recém-nascidas e, por isso, é muito adorada pelas mulheres que desejam engravidar. A orixá Oxum tem domínio sobre o líquido amniótico, a gravidez, sobre o feto, e sua proteção à criança estende-se até os 7 anos de idade, quando passa a responsabilidade ao orixá de cabeça

Oxum atua também na vida financeira e na prosperidade material, a que se deve sua denominação de “Senhora do Ouro”, que outrora era do cobre, por ser o metal mais valioso da época.

Conta a lenda que era comum que os Orixás masculinos se reunissem para discutir assuntos sobre a humanidade. Oxum sempre achou isso muito injusto, pois ela sabia que tinha sabedoria e poder suficiente para opinar sobre as questões dos homens. Mesmo insistindo com eles, nunca conseguiu espaço para se expressar.

Assim, como forma de ser ouvida e como última opção, ela decidiu usar a sua astúcia: Oxum tirou a graça e o poder da fertilidade de todas as mulheres e, dessa forma, nenhum homem haveria mais de nascer. No corpo humano, Oxum rege o aparelho reprodutor e os hormônios, é Orixá da maternidade.

Percebendo a ausência dos nascimentos na Terra, os Orixás foram a Olorum (o grande Criador), para indagar a Ele o que estaria acontecendo. Olorum revelou o feitiço que Oxum havia feito. E que ele achava correto, a menos que os Orixás masculinos ouvissem também as Yabás para a tomada de decisões.

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

Oxum, aí, encarna todo o poder da maternidade e do poderio feminino. A partir de então, Oxum foi convidada a participar das reuniões e das decisões. Aparte na narrativa para refletirmos sobre a luta das mulheres – nada lhes é dado ou permitido, a não ser pela resistência. Que as mulheres sejam de luta! Oxum nos ensina como lutar de forma inteligente e nos acalenta nos momentos de desafios. E nos impulsiona a lutar e a vibrar com amor e pelo amor.

A pandemia-Covid19 é um enorme desafio. Este ano de 2021 será regido por Oxum. Necessitamos de acreditar no arquétipo da deusa Oxum – deusa do amor – para o enfrentamento: amor por si, pelo semelhante, pelos parentes, pelos desconhecidos… Enfim, amar a todos sem distinção, sem partidarismo político, mas simplesmente nos amarmos, para sairmos juntos desse infortúnio.

Precisaremos aprender a lidar com as diferenças e divergências com sabedoria, com cautela e equidade, com honestidade, e assim buscarmos meios de atingir nosso objetivo: acabar com a maldita doença.

No Sincretismo, Oxum é Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição, também, tendo seu dia comemorado em 8 de dezembro. Na Bahia, é Nossa Senhora das Candeias. No Recife, Nossa Senhora dos Prazeres.

Mamãe Oxum, como é carinhosamente chamada, é responsável por nos acolher durante as tempestades emocionais e estará a postos, nos acompanhando em isolamentos eternos, no uso da incomodante máscara, nos lockdowns e em outras ações que se fizerem necessárias.

Será com a energia de Mamãe Oxum que teremos tranquilidade e orientação para escolhermos caminhos seguros e pacíficos, equilibrados e amorosos.

Outra lição de Mamãe Oxum para o próximo ano diz respeito à sororidade. Ela nos ensina que a mulher não pode viver refém da beleza e deixar que seus dotes físicos favoreçam o poder do homem, do patriarcalismo sobre cada mulher. Ela ensina que a mulher já é linda por natureza, tenha o fenótipo que tiver, pois beleza vai além do físico. Ensina que será preciso que todas as mulheres se deem as mãos para combater o machismo, a misoginia, o feminicídio, o sexismo, o patriarcado e a supremacia masculina, principalmente neste governo que odeia as mulheres.

Que o espelho de Oxum, antes de ser objeto de vaidade, nos sirva para nossa introspeção. Que toda mulher possa mergulhar em si mesma, ver seu íntimo, se conhecer mais, se saber mais capaz e poderosa. Que o espelho de Oxum sirva de ferramenta para enfrentarmos os desafios do mundo e nossos próprios desafios.

Por que Oxum chora? Oxum chora porque ainda há no mundo muita “feiura”. Quando Oxum deixa de olhar seu espelho para olhar para o mundo dos homens, ela chora e chora… um choro sentido, um lamento, como uma cantiga em Yorubá.

A faceira e delicada Oxum tem domínio também sobre a sexualidade e a sedução, sendo a orixá do amor, responsável pelas ligações amorosas.

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

Oxum é também a protetora da liberdade. Ajudou seu povo preto a suprimir um contido e escondido canto para que peles não fossem cortadas no açoite. Foi pela força de Oxum que deram licença, há cento e trinta anos, para que atabaques pudessem ser tocados e cantos entoados em alto e bom som e às claras.

Sob a proteção de Oxum, o som do atabaque e uma cultura aprisionada foram libertados. Antes, as religiões afro-brasileiras eram tratadas com marginalidade, vistas como malandragem, tratadas com desrespeito, intolerância e violência.

É pelo poder criador de Oxum que o povo do Axé foi liberto de seus grilhões físicos e emocionais. Hoje, a lei dos homens brasileiros reconhece o valor do Axé, mas, ainda assim, com ressalvas. Lutemos pela valorização das crenças e pela importância da liberdade.

Oxum, Deusa do amor, Yabá das águas doces, mãe amorosa dos povos novos e antigos, cuida de nós!

Ora Yê Yê Ô! Mamãe Oxum! (Olha por nós, mãezinha!)

 

Iêda Vilas-Bôas  é escritora e poeta. Conselheira Editorial da Revista Xapuri Socioambiental.

 

 

 

 

Reinaldo Filho Vilas Boas Bueno é formado em Letras, empresário, poeta de singular poesia. Ainda, se dedica ao estudo e prática da Umbanda, Quimbanda Xambá e Candomblé, Também é Mestre em Alta Magia. É Membro Efetivo da Alaneg/RIDE e colaborador da Revista Xapuri.

 

 

 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
[instagram-feed] [instagram-feed]