Moro, quem te viu, quem te vê…

Por Helena Chagas

Jair Bolsonaro está fazendo Sergio Moro beijar a cruz. Para quem surpreendeu o país no comando da maior e mais implacável investigação de corrupção  realizada em terras brasileiras, acusada inclusive de abusos resultantes de seu furor investigativo — sempre negados por ele —, o ex-juiz e atual ministro da Justiça está sofrendo um inusitado castigo. É autor de um ofício ao Procurador Geral da República questionando uma investigação policial antes mesmo de ela ser concluída.

O presidente da República teve seu nome citado no depoimento de um porteiro sobre a entrada de um dos acusados do assassinato da vereadora Marielle Franco no condomínio em que Bolsonaro reside, sendo supostamente autorizado a entrar com destino à sua casa. Bolsonaro estava em Brasília nesse dia, e talvez bastasse provar isso de forma cabal. Não poderia ter se reunido com o suposto assassinato no dia do crime — e, embora o fato de o miliciano acusado ter dito que ia à sua casa seja altamente constrangedor, não comprova qualquer crime.

Ou seja, quem não deve, não teme. E se Bolsonaro não se reuniu com o sujeito, não se reuniu. Não há como incriminá-lo se isso de fato ocorreu. O próprio PGR Augusto Aras parece  acreditar nisso, e está remetendo o caso à procuradoria no Rio.

Tampouco soa legítima, porém, a interferência do Executivo na investigação. Bolsonaro, com o apoio de Moro, quer que o porteiro seja novamente ouvido. Mas nem o presidente da República e nem seu ministro da Justiça têm prerrogativa legal para interferir em investigações e diligências em curso, recomendando novos depoimentos ou retificações sobre eles.

O ex-juiz da Lava Jato aponta “possível equívoco” na investigação e “eventual tentativa de envolvimento indevido do nome do presidente da República no crime”, advertindo que tais atos podem configurar crimes de obstrução à Justiça, falso testemunho ou denunciação caluniosa.

Moro, quem te viu, quem te vê!

Fonte: Os Divergentes

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.