Belágua: muitas vidas transformadas pelo Movimento Solidário dos Funcionários da Caixa

Depois de Caraúbas, no Piauí, que durante dez anos recebeu ações do Movimento Solidário dos empregados da Caixa e cujas comunidades caminham agora com seus próprios passos, os resultados das ações em Belágua, uma das cidades de menor IDH do estado do Maranhão começam a aparecer, após pouco mais de um ano e meio de ações coordenadas pela Fenae (Federação das Associações do Pessoal da Caixa) com o apoio das Apcefs e da Par Corretora.

As ações do Movimento Solidário em Belágua (MA), que começaram em 2015, serão desenvolvidas ao longo de cinco anos. Mas é impressionante a transformação já ocorrida em pouco mais de um ano e meio nas comunidades rurais do município maranhense.

O engajamento e união das famílias surpreenderam os técnicos que acompanham os projetos de segurança alimentar: “Como profissional me realizo ao poder aplicar aqui o que aprendi na universidade, mas posso dizer que estou aprendendo muito com a organização e a capacidade deles de apresentarem soluções criativas para adaptar materiais e equipamentos”, afirma a veterinária Arlene Santos, que juntamente com o marido, o agrônomo Obed Soares, são os responsáveis técnicos pela implantação dos tanques de peixe e galinheiros, projetos escolhidos pelas próprias famílias após reuniões nas localidades.

Em janeiro deste ano os representantes da Fenae, da Par Corretora, das Apcefs do Maranhão e Piauí, do Sindicato dos Bancários do Piauí, além de representantes dos governos estadual e municipal puderam conferir a animação dos moradores ao participaram da inauguração de mais quatro tanques de peixes e um galpão de galinhas, nos povoados de Santa Maria, Jabuti, Mocambo e Pilões.

O compromisso de avançar a cada dia marcou o discurso das lideranças comunitárias: “Muita gente diz que a gente deu sorte de ser escolhido, mas eu digo que não demos sorte, a gente merece! Vocês enxergaram nesse povoado um povo que quer trabalhar para mudar de vida, só precisava de conhecimento e assistência. Posso garantir que vocês não vão se arrepender de terem acreditado na gente”, afirmou Domingas Santos e Santos, 47 anos, da comunidade de Santa Maria.

Eunice Silva, 27 anos, da comunidade Jabuti, confessa que ficou “ressabiada” quando foi chamada a participar da reunião de definição de prioridades na primeira etapa do projeto. “É que a gente vai ficando calejada de ver projetos que depois não vingam por falta de assistência. Mas desde o início percebi a diferença, a presença de dona Denise (Viana, analista de responsabilidade social da Fenae e coordenadora das ações em Belágua), do Domingos (coordenador local) e dos veterinários que não abandonam a gente me animou e sei que agora vamos seguir em frente e vamos avançar cada vez mais. Quem sabe esse tanque de 2500 peixes não é a semente de uma pequena indústria de pescados no futuro? A nossa comunidade tem condições de fazer isso”, afirma ela.

Jair Ferreira, presidente da Fenae, fez questão de elogiar o capricho e cuidado dos moradores na construção, contenção e isolamento dos tanques (para evitar a entrada de crianças e animais), nas tecnologias para construção do galinheiro (cercado com buriti nos locais onde não existe barro) e na organização de um revezamento de trabalho para os cuidados diários das criações.

“Quem veio aqui antes percebe a transformação já operada e o poder de um trabalho construído por diversas mãos, uma parceria que começa com a doação dos empregados da Caixa, tem o apoio da Par Corretora, das Apcefs, dos governos estadual e municipal. Nada seria possível sem o empenho e a determinação das comunidades que estão abraçando como seu o projeto. Esse é o nosso objetivo, é gratificante ver o empenho de cada um para que todos tenham uma vida melhor. Essa é a esperança que nos move”, ressaltou.

Com a entrega dos cinco projetos nessas quatro comunidades (Mocambo recebeu dois tanques de peixes porque é uma das maiores, com 60 famílias) conclui-se a terceira etapa da ação em Belágua, a implantação dos projetos de segurança alimentar definidos pelos próprios moradores. No semestre passado as comunidades de Lagoas, Olho d’Água, Bom Princípio, Mendes e Galegas já haviam recebidos os equipamentos para as criações de peixes ou galinhas. “Tudo foi pensado levando em consideração o número de pessoas de cada localidade, as necessidades de cada uma das famílias e suas prioridades”, salienta o veterinário Obed Soares.

Entrega de óculos

Os parceiros do movimento solidário também participaram da entrega de 30 dos 484 óculos de grau que serão distribuídos no decorrer dessa semana aos moradores de Belágua. No final do ano passado foram realizadas mais de mil consultas e feita uma campanha especial para a arrecadação de óculos para atender aos que apresentaram problemas de visão. Crianças como o menino Ângelo Emanuel Souza, de oito anos, que segundo a mãe, Tânia Barros, vivia com olhos vermelhos e reclamando de dores nos olhos. “Agora acho que ele vai acompanhar melhor as aulas na escola”, afirma ela. Ou como a dona Maria das Dores Gomes, de 64 anos, que comemora a possibilidade de voltar a “enxergar direito”.

DEPOIMENTOS 

“O governo municipal está de braços abertos a toda parceria que venha para melhorar a qualidade de vida dos moradores do nosso município. Mais ainda em projetos como o do Movimento Solidário, que apesar de reconhecer as necessidades do município trabalha para aumentar a autoestima das pessoas, ao mostrar que elas podem caminhar e decidir por si mesmas. Temos muitas necessidades, mas temos um povo que tem muita força para enfrentar as dificuldades e muita vontade de superá-las” – Herlon Costa, atual prefeito de Belagua

“Estamos vivendo momentos de importantes mudanças no estado do Maranhão, um esforço coletivo para mudar os indicadores sociais do estado. Estou certo de que essa é a intenção da Fenae e do Movimento Solidário em Belágua, e por isso só posso mais uma vez ressaltar o apoio do governo do Estado às ações desenvolvidas em prol de uma população que sofre há anos com a ausência de políticas públicas” – Francisco Gonçalves – secretário de Direitos Humanos e Participação Popular do governo do Maranhão.

“Estou muito feliz de ver que a proposta do Movimento Solidário está se concretizando. Ainda me lembro da primeira vez que recebi as pessoas da Fenae na prefeitura e do entusiasmo que tomou conta de nós ao ver que um grupo tão organizado estava voltando os olhos para nosso município. Melhor ainda é ver que as comunidades não perderam a oportunidade e estão superando as expectativas depositadas nelas. Desejo sucesso e vida longa aos projetos!” – Adalberto Nascimento – ex-prefeito de Belágua.

“Esta é a primeira vez que venho a Belágua e estou muito feliz e grata pela acolhida. Sempre incentivamos os empregados da Par Corretora a doar para o Movimento Solidário, mas ver os resultados já alcançados nos anima ainda mais! Parabéns a todos os envolvidos nessa ação.”  Elena Pinheiro Silva – coordenadora da Responsabilidade Social Empresarial da Par Corretora.

“Estou verdadeiramente grata por perceber os avanços já conquistados pelas comunidades em pouco mais de um ano e meio de projeto . Como vocês sabem, foi a Apcef Maranhão que sugeriu o município para receber as ações e estamos verdadeiramente satisfeitos em ver como todos abraçaram a oportunidade”, – Maria das Dores, presidente do Conselho Deliberativo da Apcef Maranhão.

“Não sei se todos sabem, mas a primeira cidade adotada pelo movimento solidário foi Caraúbas no Piauí e em dez anos o município mudou totalmente. Por ter acompanhado todo o processo tenho certeza de que Belágua será transformada da mesma maneira. É bom saber que isso é possível graças à solidariedade dos empregados da Caixa, cada um doando um pouco fazem acontecer – Maria da Gloria Araujo – presidente da Apcef Piauí.

“Como representante de Belágua e presidente da Câmara Municipal, gostaria de agradecer ao trabalho do Movimento Solidário e faço votos de que as parcerias se fortaleçam cada vez mais em prol da melhoria das condições de vida do nosso povo”. – Manoel Estevão – presidente da Câmara Municipal de Belágua.

“Que Deus continue a iluminar o trabalho desenvolvido pelo Movimento Solidário em Belágua e dê forças à população para superar as dificuldades e melhorar de vida.” – padre Adalto, da paróquia de Belágua.

“Quem investe em vida traz para si a melhor recompensa e junta tesouros no céu, pois o principal mandamento de Jesus é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo” – Pastor Manoel Rabelo.

ANOTE AÍ:

Texto original e fotos desta matéria:  movimentosolidario.fenae.org.br

Deixe uma resposta