Três empresas de carne – JBS, Cargill e Tyson – emitiram mais gases de efeito estufa no ano passado do que toda a França e quase tanto como algumas das maiores companhias de petróleo, como Exxon, BP e Shell, de acordo com novas pesquisas de três ONGs que estão sendo lançadas junto com o início das principais negociações climáticas da ONU em Bonn, Alemanha, na segunda-feira. A pesquisa usa as emissões corporativas estimadas do gado, usando a metodologia mais abrangente criada até o momento pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

As principais conclusões incluem:

– Apenas 20 empresas de carne e lácteos emitiram mais gases com efeito de estufa em 2016 do que toda a Alemanha, que é de longe o maior poluidor do clima da Europa.

– Se essas empresas fossem um país, seriam o 7º maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, e o setor como um todo é responsável por 15% das emissões totais, empurrando-o acima do transporte.

– As cinco principais empresas de carne e lácteos, incluindo a Cargill e o Grupo Fonterra, emitem mais do que a Exxon.

– Mas poucas empresas de carnes e laticínios calculam ou publicam suas emissões e estão usando técnicas de lobby para retardar a ação climática efetiva e pressionar por um maior controle do mercado.

Os autores observam que os compromissos assumidos pelos governos reunidos em Bonn para que as temperaturas globais não ultrapassem 1,5 graus ou mesmo 2 graus não serão possíveis sem abordar as surpreendentes emissões da indústria da carne e produtos lácteos. Em 2060, o crescimento da produção de carne e lácteos, impulsionado em grande parte por essas empresas e pelo sistema alimentar industrial que representam, poderá ocupar todo o orçamento de emissões globais sob o cenário de aumento de 1,5 grau visado pelo Acordo de Paris.

Devlin Kuyek, pesquisador da GRAIN e autor da pesquisa, destaca: “Na próxima reunião climática da COP23 em Bonn, na Alemanha, as maiores empresas de carne e lácteas do mundo provavelmente contarão uma história diferente.

Eles afirmam que sua produção é necessária para a segurança alimentar mundial, e que, portanto, eles deveriam ser liberados. Isso não é verdade. Essas empresas produzem uma grande quantidade de carne e produtos lácteos altamente subsidiados em um punhado de países onde esses produtos já são super consumidos. Eles então exportam seus excedentes para o resto do mundo, erodindo os milhões de pequenos agricultores que realmente garantem a segurança alimentar e bombardeiam os consumidores com alimentos processados ​​não saudáveis ​​”.

Shefali Sharma, o diretor da IATP Europe disse: “As soluções não são complicadas, mas requerem vontade política. Os fundos públicos devem ser redirecionados para longe das fazendas industriais e para pequenos agricultores e produtores pastorais, ajudando a construir mercados locais de carne e lácteos. Os governos devem ter coragem e previsão para regular as emissões desse sistema globalizado de produção industrial de carne e leite.

Eles devem ajudar a regenerar um planeta, pessoas e e um sistema alimentar amigável. Finalmente, as nações e as populações que consumem, devem reduzir drasticamente sua ingestão industrial de carne e produtos lácteos. Manter o petróleo no solo não é suficiente para evitar mudanças climáticas catastróficas “.

O factsheet da IATP, Grain and Heinrich Boell Foundation em anexo está sob embargo até 11: 00GMT desta segunda-feira, 6 de novembro. O material está licenciado como Creative Commons e, portanto, pode ser republicado. Você também pode ver as tabelas de dados completas aqui.

Foto: stockphotos.com.br

ANOTE AÍ:

Esta matéria nos foi gentilmente cedida por Rita Silva, da AViV Comunicação www.avivcomunicacao.combr 
Tel.: (11) 
4625-0605

Para outras informações e entrevistas:
Devlin Kuyek, GRAIN: devlin@grain.org+ 1-514-571-7702
Shefali Sharma, IATP Europe: ssharma@iatp.org+ 49-177-1469-613

 

 

About The Author

Xapuri

Related Posts

Deixe uma resposta