Por  Setor de Gênero do MST

O ano de 2017 foi um ano difícil para a classe trabalhadora do Brasil e do mundo. No Brasil, após o golpe de 2016, intensificou-se o ataque aos direitos já conquistados. Nesse processo, a perda de direito das mulheres esteve combinada com aumento do índice de violência contra seus corpos e ameaça às suas vidas.

Nesse ano, no qual a Revolução Russa completou seu centenário, irmanadas com os movimento de mulheres que ascenderam mundo afora, estivemos organizadas em todos os rincões do país, no campo e na cidade, vigilantes contra o capital e o patriarcado, resistindo contra o governo golpista e suas medidas.

Na jornada do 8 de Março, Dia Internacional da Luta das Mulheres, sob o grito ‘estamos todas despertas, contra o capital e o agronegócio nenhum direito a menos’, milhares de mulheres Sem Terra ocuparam prédios públicos, marcharam, ocuparam latifúndios nas cinco regiões do Brasil denunciando o avanço do capital no campo, as mineradoras, o hidro e o agronegócio, contra o governo golpista e as ‘PECs da Morte’.

Sob ameaça constante, com o aumento brutal da violência no campo, resistimos. Nos dedicamos ao estudo, nos cursos e seminários, nas Universidades e nas nossas Escolas de Formação Política, dentre eles, o Seminário Marxismo e Feminismo em todas as regiões do país.

Nos organizamos e revisamos nossas linhas políticas do Setor de Gênero com o intuito de dar conta dos avanços advindos do quotidiano das nossas lutas, com debates importantes sobre os nosso direitos reprodutivos e sobre as pautas dos sujeitos LGBTs. Ao passo que provocamos nossos companheiros a se reunirem e debaterem sobre as relações entre os gêneros organizando as “Noites Antipatriarcais” e as “Assembleias dos Homens”.

Tendo em vista o modelo de produção que o povo Sem Terra está construindo dentro do Projeto da Reforma Agrária Popular, nos dedicamos ao debate sobre o papel da mulher na produção agroecológica e afirmamos que ‘sem feminismo não há agroecologia’!

No dia 25 de novembro, Dia Internacional de Luta pelo Fim da Violência contra a Mulher, contra a cultura do estupro, incentivada por ações de Estado como no caso da PEC 181, as mulheres do MST ocuparam uma fazenda em Avaré (SP), ligada ao ex-médico Roger Abdelmassih, condenado por estupro de cerca de 40 mulheres, e exigimos: ‘Reforma Agrária na terra de estuprador’!

Nós, mulheres Sem Terra que “Amamos a Revolução”, seguiremos resistindo na luta pelo direito à terra e por uma política de Reforma Agrária; contra o machismo e a violência contra as mulheres e LGBTs, estaremos sempre prontas para as próximas batalhas. Pois entendemos que, ‘quem não se movimenta não sente as correntes que o prende!

Muitos Marços de luta virão, até que todas sejamos livres!

Com edições de Leonardo Fernandes. Imagens: midiasemterra

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: