DUERME NEGRITO
El grito de la tierra (1970)
A música é um Acalanto ou canção de ninar. Música lírica, anônima, popular e folclórica (tradicional). Quem a regatou do imaginário popular foi Atahualpa Yupanqui (Héctor Roberto Chavero Aramburo), músico, compositor, cantor e violonista argentino, já falecido. Hector adotou o nome de Atahualpa em homenagem ao grande guerreiro inca.

É uma das mais belas canções de ninar que existem. Sua origem provável é o folclore da região do Caribe, mas ninguém sabe ao certo porque se tornou muito popular em mais de vinte países de língua espanhola nas Américas.

Todas as mães dizem que cantar essa canção para seus filhos cria uma atmosfera de grande intimidade e que o aspecto assustador dos versos, que também acontece em várias canções de ninar brasileiras (como o “Boi da Cara Preta”), é quebrado pela deliciosa onomatopeia final, além de que revela que o amor supera o medo.

Prestem atenção na letra, onde diz que a mamãe da criança está trabalhando a roça, mas não lhe pagam, é viúva e está doente, tossindo, e continua trabalhando e prometendo trazer gostosuras pra o filho. O canto em voz baixa normalmente não é acompanhado por instrumentos, mas apenas pela batida num tamborzinho.

Duerme Negrito, antes, era cantado pelas mães ao deixarem os filhos para seguirem para o campo, em trabalho exaustivo e, muitas vezes, não remunerado, ou em regime de semi-escravidão.  É  um carinho libertário e amoroso, uma canção-símbolo da América do Sul e da luta das mulheres camponesas. Mercedes Sosa emprestou sua grandiosa voz para que possamos refletir sobre o tema e valorizarmos todas as mulheres do campo.

Duerme, duerme, negrito
Que tu mama está en el campo negrito
Duerme, duerme, mobila
Que tu mama está en el campo, mobila

Te va traer codornices
Para ti
Te va a traer rica fruta
Para ti
Te va a traer carne de cerdo
Para ti
Te va a traer muchas cosas
Para ti

Y si el negro no se duerme
Viene el diablo blanco
Y Zas! le come la patita
Chacapumba, chacapumba, apumba, chacapumba
Duerme, duerme, negrito
Que tu mama está en el campo, Negrito

Trabajando
Trabajando duramente, trabajando sí
Trabajando e va de luto, trabajando sí
Trabajando e no le pagan, trabajando sí
Trabajando e va tosiendo, trabajando sí

Para el negrito chiquitito
Para el negrito si
Trabajando sí, trabajando sí
Duerme, duerme, negrito
Que tu mama está en el campo
Negrito, negrito, negrito

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Camiseta Mercedes

Comentários

%d blogueiros gostam disto: