fbpx

Nada de novo…

Nada de novo…

Sim! Dois anos sem escrever minhas percepções do mundo indígena e do caos existencial não-indígena que nos cerca e sufoca a cada dia.

Por Jairo Lima

Dois anos!

Sim! Dois anos sem escrever minhas percepções do mundo indígena e do caos existencial não-indígena que nos cerca e sufoca a cada dia.

Não que eu tivesse algo útil de falar nesse período todo de silêncio literário, ou até mesmo imprescindível. Talvez uma opinião ou outra sobre particularidades que, talvez, não encontrassem eco ou reverberassem em meio a profusão de (des)informações que a cada dia nos cercam e azucrinam o juízo. Até mesmo, porque, nesse mundo de TikTok’s qualquer coisa que avance mais que um minuto em nossa atenção parece perder o sentido. Tudo acontece muito rápido, mesmo em meio a lerdeza que a pandemia no enfiou por dois anos.

Fiquei os dois anos de pandemia dando conta de questões profissionais e alguns labores musicais que se compensavam, evitando que eu caísse em algum estado letárgico de emoções ou, pior, fechasse-me em alguma opinião extrema e ultrapassada baseada em nostalgias inexistentes – Se é que me entendem. Pouco ou quase nada interagi nas mídias sociais, até porque as mesmas não estavam em calmaria, ao contrário, mais assemelhavam-se a um lago cheio de tubarões e piranhas.

Mas, a pandemia nos trouxe um campo fértil para observar as reações das pessoas, e no ‘mundo indígena’ e seus satélites não foi diferente. Das lives direto das aldeias à consolidação do ‘mercado xamânico’ esse período desencadeou uma nova dinâmica nessas relações.

Enquanto, num polo, muitos dos txai se resguardaram, buscando em seu isolamento manter-se, em primeiro lugar, vivos, comunicaram-se com o mundão através de lindas lives, dando esperanças e mostrando que ainda era possível sentir um pouco de alegria e conforto, noutro tivemos o escancaramento das práticas mais lesivas e criminosas daqueles que buscaram atingir somente o lucro, através da venda de produtos e acessórios usados pelos povos indígenas e comunidades tradicionais.

No mesmo Facebook em que nos emocionávamos com a apresentação dos queridos Yawanawá encontrávamos os detestáveis vendilhões não-índios, e um bocado de pajelantras ofertando até ‘kit haux’, uma nova maneira de ganhar money e papagaiar usando os conhecimentos indígenas. Enquanto íamos às lágrimas ouvindo o kanarô no face, no Instagram pinicavam ofertas de garrafas de ayahuasca, rapé com kambô e o escambau-a-quatro, assim como era fácil achar um bocado de gente fantasiada de indígena oferecendo seus serviços, em troca da tal ‘força de troca’, comumente conhecido como dinheiro, munidos de um tal conhecimento que adquiriram ou que lhes foi repassado e blá blá blá dando aos mesmos direito de extorquir aqueles tomados pela tristeza ou demais males da alma que ganharam força nos meses de isolamento pandêmico.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

E eu ficava só de olho…

Pode-se até pensar: Poxa! Que maldade! As pessoas só querem ajudar umas às outras, isso é melhor que ver as pessoas irem bater às portas do Edir Macêdo! – Não concordo, até porque a comparação não se sustenta, pois, as carências que impele as tristes almas às portas do falso profeta são diferentes das que buscam contato ou imersão no mundo pluridimensional e multicultural do mundo xamânico.

Mas fazer o que né? Esses espertalhões que só visam o lucro usando o pouco que conheceram (mas não aprenderam) das culturas indígenas sempre vão existir, são como bichos-de-pé. O que não podemos é trocar o certo pelo duvidoso, ou seja, o real pelo falso, a fonte pelo ralo. A diferença entre a ‘medicina’ e a ‘droga’ está na intenção com que é utilizada ou oferecida, pense nisso.

Temos que parar de dar atenção a pajelantras ou pessoas usando os conhecimentos indígenas e darmos mais atenção à fonte primeva disso tudo, ou seja, os próprios povos indígenas, vendo-os não somente como uma sociedade alternativa onde podemos beber o chá sagrado, mas, sim, como um livro milenar que nos ensina a suportar as agruras da existência humana, afinal, enquanto muitos davam atenção aos monstros da alma durante a pandemia, ou assistiam as lives dos cantores da sofrência, povos como os Yawanawá, Shanenawa, Huni Kuin e outros nos enviavam mensagens de paz, resiliência esperança…

Kanaro tere te in te…

Jairo Lima é indigenista, graduado em Pedagogia pela UFAC, com especialização em antropologia. Atua há mais de vinte anos junto aos povos indígenas do Acre e desde 2012 é servidor da FUNAI, na região do Juruá, Acre.

Conheça a página do Crônicas Indigenistas no Facebook (clique aqui). Lá encontrará, além de nossos textos, várias e diversificadas informações. 

Imagem da capa do texto: Ion David.


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!