A propósito de o governo pretender taxar livros. Ou louco por leitura

Por ORLANDO BRITO

Vendo agora a possibilidade de o governo Bolsonaro — na proposta de reforma tributária enviada ao Congresso — criar taxa para a aquisição de livros, lembrei-me dessa foto. A imagem cabe perfeitamente para contribuir com o tema que resulta em polêmica e discussão: imposto sobre a compra de publicações literárias.

A fiz na véspera de uma Quarta-feira de Cinzas, no setor central de Brasília, há dois ou três anos, quando não se imaginava que o mundo fosse sofrer o drama da pandemia do Coronavírus.

Blocos de carnaval desfilavam arrastando centenas de alegres foliões. Na mesma pista, esse nosso amigo maltrapilho da foto — pelo visto, um pobre andarilho sem destino — estava alheio à festa. Como se nada estivesse acontecendo, preferiu concentrar-se para ler um livro que encontrou revirando uma lata de lixo na frente de um luxuoso hotel da Capital.

Fiquei tão surpreso com a cena que aproximei-me e, depois de fazer a foto, fui matar a curiosidade de ver que livro era. E era “Textos de Machado de Assis”. O senhor maltrapilho estava na página do conto “O Espelho”, que começa com a seguinte frase: O esboço de uma nova teoria da alma humana.

A fotografia cabe também dentro do tema “Enxergando o Pais de perto” ou “Sem palavras”. Aliás, um amigo que é imortal da Academia Brasileira de Letras, ao discorrer sobre a questão, disse-me: — Taxar livros é tolher a liberdade, é brecar a cultura!

Fonte: Os Divergentes

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: