“Morra quem morrer”: quem leva o Prêmio Bolsonaro de Crueldade nesta pandemia?

Exatamente um mês atrás, em 3 de junho de 2020, o Brasil atingia a marca de 30 mil mortos na pandemia do coronavírus. Para registro, esta coluna publicou uma série de declarações de Jair Bolsonaro ao longo da crise: “e daí?”, “não sou coveiro”, “lamento, mas fazer o quê?” e por aí vai.

De lá pra cá o número de óbitos dobrou. Bolsonaro continuou fazendo pouco caso da pandemia, como quando condenou o “excesso de preocupação” com a saúde e não com a economia. O máximo de humanidade que tentou demonstrar foi quando pediu ao presidente da Embratur para tocar “Ave Maria” na sanfona em homenagem aos mortos. A cena virou piada mundo afora.

Justiça seja feita, Bolsonaro não foi o único a tratar o morticínio como placar de futebol.

Se lançasse o Prêmio Bolsonaro de Crueldade a competição seria dura.

Desde o início da crise já teve dublê de apresentador e dono de hamburgueria chique dizendo para todos ficarem tranquilos porque a pandemia mataria “apenas” velhos e doentes. Quem se importa com eles, não é mesmo?

Teve coach de investimentos que, para atender o desejo de sua patrocinadora pela retomada da vida normal, reinventou a matemática e previu que a pandemia havia atingido o pico nos idos de abril. Desmoralizado, hoje consegue engajamento apenas quando faz chacota do salário dos atendentes de supermercado.

Teve secretária de Cultura desdenhando o destino de pessoas torturadas na ditadura e de infectadas por coronavírus porque preferia ficar leve a carregar um cemitério nas costas.

Teve empresário jurando que a tragédia anunciada por países como Itália não tinham nada a ensinar por aqui.

Teve cosplay de comentarista político dizendo que nada a ver esse negócio de não poder circular, já que nos EUA milhares de pessoas morriam engasgadas e nem por isso estavam proibidas de se alimentar.

Teve médico candidato a ministro da Saúde torturando a ciência e a razão para dizer que a quarentena aumentava o número de contaminados e outras pérolas do terraplanismo sanitário só para cavar uma vaga na Esplanada.

Teve prefeito no Sul escalando saxofonista para recepcionar os clientes do shopping reaberto antes da hora — e que correu para pedir socorro quando a conta chegou desacompanhada de leitos na UTI.

Teve prefeito no Norte obrigando empregadas domésticas a voltarem aos trabalhos porque eram serviços essenciais.

E teve patroa que mandou a empregada passear com seus cães enquanto despachava do elevador para a morte o filho da mulher que se perdeu no prédio de alto padrão e caiu.

Na quarta-feira (1º), a Enciclopédia da Insensibilidade Brasileira ganhou reforço do prefeito de Itabuna, Fernando Gomes (PTC), velho conhecido da política local. Ele disse em uma live que autorizará a reabertura dos estabelecimentos comercias em sua cidade “morra quem morrer”.

A declaração assusta pela crueza, mas está em consonância com atos, omissões e palavras, ditas ou não ditas, de uma classe dominante que segue ranzinza, azeda, medíocre, cobiçosa e que impede o país de seguir em frente, como descreveu há anos o sociólogo Darcy Ribeiro.

Nas lives da vida, mudam os meios, mas não a mensagem escrita desde o Brasil colônia: quem fala é sempre a velha elite escravocrata que jamais saiu de cena.

Fosse de outra forma, o dono de uma investidora da moda não teria dito, há algumas semanas, que o país ia bem no controle do coronavírus porque o pico da doença nas classes altas já havia sido atingido.

Em outras palavras: quem morreria dali em diante era quem nunca jamais importou em vida.

O contato com a Covid-19 será, como já é, uma sentença de morte anunciada para povos indígenas, e populações periféricas, a maioria negra.

Isso não parece franzir a testa de quem tem pressa em escalar seus empregados para fazer girar as rodas da normalidade em bares, restaurantes, transporte público, arenas esportivas e centros de lazer e consumo. Nem que seja de automóvel, como fizeram os gestores de um shopping em Botucatu (SP).

Carro e passeio no shopping sempre foram duas instituições nacionais. A vida é descartável, a depender de quem está vivo.

Fonte:BR Notícias

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: