Diálogos confirmam: jovem do DF tinha a intenção de reproduzir naja em cativeiro

 

Perguntado por um amigo se ia vender a serpente, o jovem respondeu: “Quero reproduzir”

A Polícia Civil do Distrito Federal, analisando diálogos do celular do estudante de medicina, Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul, encontrou uma conversa reveladora: “você vai vender ela (a naja)”?, pergunta um interlocutor, ao que o jovem responde: “quero reproduzir”. Para a polícia não resta dúvidas de que Pedro pretendia vender os filhotes da serpente asiática.

Pedro Henrique gerou polêmica em todo o Brasil ao ser picado por uma naja em Brasília. Descobriu-se mais tarde que a serpente pertencia ao rapaz, que a criava, de forma clandestina, em sua casa na cidade-satélite do Guará.

Preso com mais dez comparsas, Pedro foi indiciado por tráfico de animais, associação criminosa e exercício ilegal da medicina.

Para o delegado Willian Ricardo, da 14ª DP do Gama, foi elucidado “um esquema de tráfico de animais a partir desse rapaz, onde se comprovou que ele trafica animais. Ele traz cobras de outros estados. Temos registros de viagens, vendas, diálogos a partir de aplicativos de conversa. Compra, venda, valores. Pessoas que compareceram à delegacia e que confirmaram o valor, modo de entrega”.

Lelê Teles
Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: