Por Eduardo Pereira

O Brasil tem mais de 300 espécies de abelhas nativas. Também conhecidas como melíponas, nossas abelhas originárias formam seus ninhos em ocos nos troncos das árvores, se alimentam do pólen que elas mesmas extraem das flores e apresentam uma característica que é só delas, não têm ferrão.

Para sobreviver, elas dependem da conservação de seus habitats naturais, que são principalmente as matas e as florestas. Existem hoje muitas espécies ameaçadas, com algumas delas sobrevivendo apenas nos meliponários. Uma das alternativas para a conservação das abelhas sem ferrão é, portanto, a meliponicultura.

No Brasil, alguns estados do Nordeste, como Maranhão, Rio Grande do Norte e Pernambuco, têm polos bem sucedidos de meliponicultura, baseada na produção de mel por espécies locais, entre elas a jandaíra, a tiúba e a uruçu. Também são comuns nos meliponários, a jataí, a marmelada, a mirim-guaçu, a mirim-preguiça, a iraí e a mandaguari contribuem para a excelência da produção do mel nordestino advindo de abelhas originárias.

O Programa Nacional de Abelhas Nativas (PNAN), da Universidade Federal do Maranhão (https://portais.ufma.br), em parceria com a Amavida – Associação Maranhense para a Conservação da Natureza (https://www.amavida.org.br/), sistematizou uma lista dos principais tipos de abelhas nativas e de suas especificidades:

 Melipona scutellaris – uruçu, urussu, urussu-boi, irussu, eiruçu, iruçu: é uma abelha grande, famosa por seu porte avantajado, que poliniza culturas de abacate, pimentão e pitanga, e é encontrada na região Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe). Na Bahia é uma espécie bastante explorada devido à facilidade de criação e à excelente produção de mel. Embora esteja sendo amplamente distribuída para além de suas áreas limites por meio do tráfego ilegal, é reconhecida como ameaçada de extinção nas suas áreas de distribuição natural (fragmentos de Mata Atlântica do Nordeste).

Melipona quadrifasciata – mandaçaia, mandassaia, mandasái, manassaia, amanassaia: essa espécie se adapta muito bem às regiões Sul             e Sudeste do país e tem grande incidência em toda a Costa Atlântica. É uma abelha robusta que poliniza culturas de abóbora, pimentão, pimenta-malagueta e tomate.

Melipona fasciculata – uruçu-cinzenta, tiúba, tiúba-grande, jandaíra-preta-da-Amazônia: as abelhas dessa espécie são também excelentes produtoras de mel, havendo registros de colônias estocarem até 12 litros por ano. Encontrada no Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil (Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Tocantins), a espécie é importante na polinização de açaí, berinjela, tomate e urucum.

Melipona rufiventris – uruçu-amarela, tujuba, tujuva: é comum nos estados da Bahia, de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Piauí, São Paulo e no Tocantins. Seu mel é muito saboroso, por isso muito procurado. Dependendo do tamanho da colônia, e em uma área de boa florada, conseguem produzir até 10 kg de mel ao ano. É uma espécie reconhecida como ameaçada de extinção, porque suas áreas naturais de      distribuição (cerradão) estão desaparecendo.

Nannotrigona testaceicornis – iraí: abelha indígena, pertencente à tribo dos Trigonini, é encontrada principalmente em zonas tropicais (Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo). Também constrói ninhos em muros de concreto, blocos de cimento e tijolos, adaptando-se bem às áreas urbanas.

Tetragonisca angustula – maria-seca, virginita, virgencita, angelita, abelha-ouro, mariita, mariola, jataí, españolita, inglesa, mosquitinha-verdadeira, my-krwàt, jimerito, ramichi-amarilla, moça-branca, jatahy-amarelo, três-portas, jatihy, jataí-pequeno, jatay, jaty, jatahy, mosquito-amarelo: abelha indígena, pertencente à tribo dos Trigonini, amplamente distribuída na América tropical (Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Peru, Venezuela, Guianas, Suriname, Honduras, Nicarágua, Guatemala, Panamá,         Costa Rica, México). É uma espécie que se adapta bem a ambientes urbanos. Talvez seja a mais criada nacionalmente, pela facilidade de adaptação          em caixas e porque requer pouco espaço. Seu mel é denso e muito apreciado. A sabedoria popular indica o mel de jataí para o tratamento da visão.

Além de contribuir para a preservação das espécies e para a conservação da natureza, a criação racional de abelhas sem ferrão tem-se tornado uma excelente alternativa de geração de renda para a agricultura familiar, as nações indígenas, as comunidades quilombolas, extrativistas e para outros povos tradicionais.

Para quem quiser saber mais sobre abelhas sem ferrão, ou criar seu próprio meliponário, a Embrapa Meio Norte (https://www.embrapa.br) disponibiliza o folheto “Criação de abelhas sem ferrão”, com informações sobre a escolha das espécies, a instalação e o cuidado com as colmeias, a produção de mel, além de citar  bibliografia para mais consultas.

Eduardo Pereira –Sociólogo.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Leave a Reply

Your email address will not be published.