Os liberais do governo Bolsonaro guardaram seus santos no armário do Inferno.

Por Fernando Brito

O Valor traz hoje em sua capa a manchete que afirma que o ministro da Economia Paulo Guedes assume Pró-Brasil e amplia o programa para criar empregos.

E você já leu em inúmeros lugares e declarações que Jair Bolsonaro, com o “Renda Brasil”, vai dobrar o Bolsa Familia, em valor e alcance.

Tudo muito bom, desde que você esqueça o que realmente pensa esta gente que cansou de apontar o Bolsa Família como um programa populista, que estava tornando os brasileiros vagabundos que não queriam trabalhar, mas viver do auxílio e de que era melhor emprego sem direito do que direitos sem emprego.

O que houve? Uma epifania? Uma conversão milagrosa destas mentes à ideia de que o progresso econômico se funda na elevação do poder de compra da população e dos seus níveis de bem-estar?

Ou a direita brasileira descobriu que, fazendo política social seu grau de apoio se eleva e torna sua continuidade no poder mais fácil ou até inevitável.

Bananeiras passaram a dar jacas?

Não seria impossível, se de fato a realidade de uma crise tivesse transformado as mentes que dirigem governo e economia, bem como as que formam sua base de apoio social e empresarial.

Mas não é assim e não é pela elevação do poder de compra da população e pela redução dos níveis de pobreza e atraso que eles medem o sucesso de políticas econômicas.

Não, isto para eles é apenas uma necessidade provisória para que as eternas máquinas de acumulação possam seguir a funcionar em meio a situações de carnificina econômica como a que vivemos.

Não é preciso ir longe no tempo para lembrar como, na crise de 2008/2009 eles não hesitaram em retirar os santos de seus altares neoliberais e apoiarem a intervenção do Estado na economia, a licença para crescer o endividamento público e a ortodoxia fiscal.

Mudou-se algo? Uma década depois, toda a recuperação da economia não tinha recuperado os níveis de emprego, de equidade na distribuição de renda, a superação do atraso econômico das periferias.

Há diferenças, porém, numa e noutra situação.

Cuidamos, em meio àquele temporal, de ampliar os investimentos em infraestrutura, aproveitando a “licenciosidade fiscal” que os tempos concediam, para elevar o poder de compra do trabalho, realimentando pelo consumo a produção e fazendo a roda da economia girar.

Foi possível, assim, dar um passo à frente na situação em que nos encontrávamos no pré-crise e criar um estado de ânimo positivo para a vida nacional, que começaria a ser desmontado pelo embrião do moralismo “padrão Fifa” (juro, dá vontade de ao rir lembrar que a Fifa já foi modelo para algo assim) e a transformação do dilema social em um embate entre “honradez” e “sem-vergonhice”, que desembocaria no surgimento da ideia dos “homens santos” que, vemos agora, são demoníacos.

Agora, o quadro é diferente: não há projetos – sequer projetos, que dirá investimentos – estruturantes, não há planos para setores essenciais da ação social do Estado (Educação e Saúde, essencialmente), seja em que escala for: emergencial, de médio ou de longo prazo. O crescimento da dívida pública, que soma até o mês passado 9,7 desde o início do ano em relação ao PIB ( o dobro dos 4% apurados em 2009) vai chegar perto dos 20% e nos deixou pendurados na dependência de juros baixíssimos para poder rolar as contas públicas.

Se fosse um remédio, poder-se-ia dizer que a terapia é apenas a de analgésicos, mas com inevitáveis efeitos colaterais de médio e longo prazo.

Recordo apenas aos que ficam perplexos com a situação que não há milagre em economia, mas programas de desenvolvimento, investimentos, elevação de renda persistente, agregação de valor à produção e tudo o que faz desensenvolvimento e justiça caminharem como o par de trilhos do progresso. O resto é prestidigitação, farsa, truque para enganar incautos.

O santos que foram tirados no altar neoliberal não foram quebrados. Estão apenas no armário, esperando que se lhes esqueça a crueldade para serem de novo entronizados.

O deus ex-machina do mercado e do dinheiro continua acima de todos.

Fonte: Tijolaço

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: