Vítimas da ditadura e familiares pedem direito de resposta por governo chamar torturador de herói

O Major Curió, que acabou com a Guerrilha do Araguaia – foi chamado de “herói nacional” em publicação feita pela Secom da Presidência da República

247 –  Vítimas de tortura e familiares de mortos e desaparecidos políticos durante a ditadura entraram com pedido de direito de resposta ao governo federal, que elogiou o assassino do Major Curió – acusado de tortura, homicídio e ocultação de cadáveres. Curió foi chamado de “herói nacional” em publicação feita pela Secom da Presidência da República.

O Major Curió foi responsável pela repressão à Guerrilha do Araguaia, que lutava pelo fim da ditadura.

A Guerrilha do Araguaia tentou tomar o Brasil via luta armada. A dedicação deste e de outros heróis ajudou a livrar o país de um dos maiores flagelos da História da Humanidade: o totalitarismo socialista, responsável pela morte de aprox. 100 MILHÕES de pessoas em todo o mundo.

Ver imagem no Twitter

“A Secom [Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República] ao tratar de opositores da ditadura militar que foram brutalmente torturados e assassinados como ‘inimigos nacionais’ e exaltar seus próprios torturadores e assassinos como ‘heróis’, viola qualquer senso de moralidade e justiça, e também os direitos à memória e verdade”, afirma o pedido das vítimas da ditadura.

“Não é nenhuma novidade que o presidente da República tem como heróis torturadores e assassinos, que compactua com mortes e desaparecimentos. Essas demonstrações públicas são frequentes. E agora, em plena pandemia, receber um assassino confesso é mais uma demonstração de que Bolsonaro louva os crimes da ditadura”, afirmou Tatiana Merlino à coluna de Leonardo Sakamoto no Uol. Tatiana é sobrinha do jornalista Luiz Eduardo Merlino, torturado até a morte, em 19 de julho de 1971, em São Paulo, por Brilhante Ustra, que também foi elogiado por Bolsonaro e o vice-presidente, general Hamilton Mourão.

O Coletivo de Advogados em Direitos Humanos (CADHu), que representa os requerentes, pede que o conteúdo exaltando o torturador seja retirado e do ar e a reprodução – no mesmo horário e sem restrições de destinatários, e com o mesmo destaque nas mesmas redes sociais – texto contra o major. O texto a ser publicado é o seguinte:

“O governo brasileiro, na atuação contra a Guerrilha do Araguaia, violou os Direitos Humanos, praticou torturas e homicídios, sendo condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos por tais fatos. Um dos participantes destas violações foi o Major Curió e, portanto, nunca poderá ser chamado de herói. A Secom retifica a divulgação ilegal que fez sobre o tema, em respeito ao direito à verdade e à memória”.

Fonte: Brasil 247

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: