Em seu livro  Cruls – Histórias e andanças do cientista que inspirou JK a construir Brasília (Editora Geração, 2014), o jornalista Jaime Sautchuk, editor da revista Xapuri, escreve todo um capítulo – Jardim Florido – sobre a variedade, a riqueza e a beleza das flores e das plantas do Cerrado como o magnífico Buriti.

Entre seus muitos achados interessantes,  Jaime revela um primor de texto do médico Antônio Pimentel, integrante da Missão Cruls, sobre o buriti, essa palmeira que, segundo o povo goiano, chama água para o solo onde vegeta. A seguir, reproduzimos o relato de Pimentel, também encontrado às páginas 42 e 43 do livro de Jaime.

“O buritizal tem a superfície circular ou oblonga, ligeiramente côncava, com uma depressão linear no centro em forma de rego; é coberto em toda sua área de um tapete de verdejante relva homogênea na altura e na cor. emprestando-lhe por este fato o aspecto risonho de um prado artificial onde o trabalho do artista é objeto de cuidados constantes e ternos.

O solo pantanoso do buritizal, extremamente compressível e movediço, apresenta-se como perigoso terreno lamacento, meio líquido, sob os enfeites da graciosa combinaçaõ de buritis de diferentes alturas e idades, ora em grupos magníficos de verdura fresca, ora indistintamente isolados, ora arruados e indicando por sua direção o curso d`água ali originado sempre em grande abundância.

O buriti, a “árvore da vida” do padre José Gumila, a Mauritia vinifera dos botânicos, é uma bela palmeira de sítios úmidos, de cerca de vinte e cinco a quarenta centímetros de espessura e nove a dez metros de altura, ccom folhas grandes em forma de leque aberto na extremidade livre, de longo e resistente pecíolo.

O tronco presta para fazer casas e aquedutos de longa duração, a folha para cobrir tão bem como telha do melhor fabrico, e as nervadas das folhas novas, não desabrochadas, dão a “seda do buriti”, que serve para tecidos diversos.

Antes de se entreabrir na palmeira masculina a cobertura delicada das flores, e só nesse período de metamorfose, o tronco provê-se de uma fécula parecida com o sagu, e que endurece formando pães delgados e redondos; da seiva fermentada faz-se o vinho de palma, com que os índios costumam se embriagar (…)

Além de todas as qualidades de árvore providencial, o buriti tem a propriedade (como se diz em Goiás) de chamar água para o local onde vegeta, o que motivou o costume de só excepcionalmente se podar uma dessas árvores”.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Camiseta Marielle

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: