Por Emir Sader

Uma minoria branca racista domina o planeta

Uma minoria branca se apropriou do poder no mundo, através do colonialismo e do imperialismo, e domina a esmagadora maioria da humanidade, que não é branca. Basta somar a população da China e da Índia, dois países mais populosos do mundo, para se ter cerca de dois bilhões e meio de pessoas, todas de outras etnias.

Foi o surgimento do colonialismo que fez a Europa assumir o domínio econômico, político e militar do mundo. A Inglaterra invadiu a China – na guerra do ópio, entre 1839 e 1860 – que não tinha força militar para se defender, para introduzir o uso do ópio, para poder reequilibrar a balança comercial com a China, vendendo ópio produzido na China. Essa guerra interrompeu o ciclo de desenvolvimento da China, mais importante economia do mundo até então.

Naquele momento se deu o auge do colonialismo das potências europeias, que dividiram o mundo entre si. Nascia o eurocentrismo, a visão do mundo segundo a qual a Europa é o centro do mundo, seus valores os valores universais, com os outros povos considerados bárbaros.

O Ocidente instaura o Oriente, que agrupa da China ao Paquistão, do Oriente Médio ao Japão, isto é, o que não é Ocidente.  A partir daquele momento, os brancos passaram a dominar o mundo, valendo-se da escravidão. A África foi uma vítima privilegiada do colonialismo europeu.

Teve suas riquezas dilapidadas e sua população transformada em escravos para produzir para o consumo da população branca europeia. O Brasil se tornou o modelo de economia escravista.

Três séculos depois, quando a escravidão terminava, o Brasil foi o país das Américas que mais demorou para acabar com ela. Como não passamos de colônia a república, mas a monarquia, a escravidão continuou. Em 1850 a Lei de Terras legalizou a propriedade dos que se tinham apropriado delas, inclusive através da grilagem. Quando os escravos, já no final do século, se tornaram livres, já não havia mais terras para eles. Os negros foram perpetuados como pobres, no campo ou nas cidades.

Assumiram as funções menos qualificadas, sofrendo, da forma mais aguda, a desigualdade social no Brasil. Foram relegados a brasileiros de segunda classe. Excluídos sociais em todos os planos, ficaram identificados como os de menor nível educacional, de formação profissional, de poder econômico, sem possibilidade de ascensão social. Discriminados, desqualificados, se tornaram o modelo mesmo dos excluídos socialmente.

São 54% da população brasileira, mas são uma porcentagem muito maior entre os desempregados, os de trabalho precário, os presidiários, as vítimas privilegiadas da violência policial. O maior escândalo do Brasil é o genocídio de jovens negros, mortos diariamente pela polícia, de forma anônima, sem nome, sem famílias, sem rosto, como se fosse delegada à polícia a tarefa de eliminá-los, de excluí-los, prendê-los.

Em qualquer lugar para que se olhe na sociedade e no Estado brasileiros, são brancos que ocupam – com exceções para confirmar a regra – que ocupam os cargos de poder, de projeção, de formação da opinião pública, de poder econômico e político. No mundo também é assim. A Europa continua a se considerar o centro do mundo, a se definir como o continente civilizado, cercado de continentes bárbaros.

No entanto, não haverá democracia no mundo, nem no Brasil, enquanto houver racismo, enquanto os negros continuarem sendo cidadãos de segunda classe, marginalizados, discriminados, excluídos. Um país que tem uma maioria de negros, mas é governado por brancos, não é uma democracia.

Emir Sader –

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: