Haddad: desigualdade

Por: Fernando Haddad

Em sua coluna na Folha de S. Paulo, ex-ministro da Educação critica política do governo Bolsonaro e o descompromisso com o enfrentamento das desigualdades no Brasil

“Não olhe para nós procurando o fim da desigualdade social”. A recomendação desnecessária feita pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não poderia ser mais oportuna.

Um ano atrás, em entrevista ao Nexo Jornal (“Novo governo pode unir estabilidade e desigualdade“), afirmei que, nos quatro anos seguintes, a economia brasileira, até por inércia, cresceria em média 2,5% ao ano, comportamento que viria acompanhado de um aumento da desigualdade, em virtude das medidas econômicas que o governo tomaria.

Segundo estudo feito pelo Ipea, a faixa de renda dos brasileiros mais pobres, correspondente a 51,8% da população (provento mensal inferior a R$ 1.643,78), foi a única que perdeu renda (-1,67% em média) nos nove primeiros meses do governo Bolsonaro.

As razões apontadas são várias: não valorização do salário mínimo, inflação medida por faixa de remuneração maior para os mais pobres e precarização do mercado de trabalho. O apoio a Bolsonaro, em grande medida, é diretamente proporcional à renda.

Convém lembrar que parte do apoio a Bolsonaro entre os mais pobres se dá por razões não econômicas. Como apontei na mesma entrevista, num país como o nosso, um dos mais desiguais do mundo, políticas neoliberais exigem um substrato espiritual para se consolidarem, e a teologia da prosperidade serve como uma luva a esse propósito.

Ainda que um ou outro charlatão opere o milagre da transubstanciação do dízimo em dividendos, a base neopentecostal, que em breve sobrepujará a católica, deve ser respeitada como interlocutora permanente no sentido da valorização dos ideais republicanos que devem pautar a relação entre Estado laico e religião, prevenindo a manipulação politica da fé.

Mais do que isso. Esse diálogo não pode prescindir do debate das medidas econômicas que vêm sendo anunciadas. Algumas foram abandonadas ou postergadas, como o regime previdenciário de capitalização e a tributação do seguro- desemprego. Outras estão em curso ou em discussão, como a política de congelamento do salário mínimo e a reoneração dos produtos da cesta básica.

Este governo não tem nenhum compromisso em enfrentar o maior de todos os nossos problemas. A elite econômica deste país tampouco. Todos os presidentes que tentaram combater a desigualdade foram tachados de populistas e defenestrados da vida pública, e os ajustes sempre se fizeram sobre os que menos têm, preservando os privilégios de uns poucos.

Esses privilégios, nem os governos progressistas conseguiram reverter até agora.

Nada é tão permanente entre nós do que a desigualdade, um pesadelo que vale a pena encarar.

Fernando Haddad, professor universitário, ex-ministro da Educação (governos Lula e Dilma) e ex-prefeito de São Paulo.

Fonte: PT

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: