11 de setembro – Dia do Cerrado

Por Iêda Vilas-Bôas

No Cerrado tem
Ninguém mandou plantar,
Nem precisou colocar:
Buriti, cagaita, ipê-amarelo…

Tem jatobá cheiroso, o pequi tão gostoso
E fogo-apagou a avisar

Tem caviúna, mangaba e sabiá-laranjeira,
Que canta pra nos alegrar!

Tem perdiz, beija-flor cantador
E caliandra vermelha
Pra terra enfeitar!

Tem sucupira, canela-de-ema,
Quero-quero ligeiro e caracará!
Tem gavião-caboclo, urubu-rei,
E arara azul muito linda,
Pra gente admirar!

Tanta planta e tanto bicho,
E a gente só precisa preservar!

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É também com a venda deles que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar nosso e-book Réquiem para o Cerrado, ou assinar nossa revista Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência.  Importante: Nossa Loja Solidária está em manutenção e volta em breve, com lindas camisetas e mais novidades. Até lá, precisando de algo, por favor fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: