Nova Inquisição: Neopentecostais torturam índios por questões religiosas no Mato Grosso do Sul

Mulheres são chamadas de bruxas e feiticeiras por grupo recém-convertido

As aldeias dos guarani-kaiowá, em Mato Grosso do Sul estão sendo invadidas por indígenas neo-pentecostais que querem impor a doutrina cristã aos povos tradicionais. As principais vítimas do ataques são as mulheres mais velhas das tribos. Responsáveis por serem as guardiãs da cultura e da religiosidade de seu povo, elas são acusadas de bruxaria e feitiçaria pelos evangélicos.

“A intolerância religiosa passou dos limites, homens vestidos de “CRENTES” e outros também lideres ligados a capitania dominados pela doutrina pentecostal e discurso de décadas da igreja, que avançam fortemente nas Reservas Indígenas, usam facas e chicotes para condenar o chamado ‘feitiço’”, escreveu em uma postagem no Facebook, Jaqueline Gonçalves que também é indígena.

Segundo os relatos, os homens fazem agressões utilizando chicotes e facões. “Quantas mulheres Nhandesys e Nhanderus foram criminalizados até os dias atuais tidas como bruxas, feiticeiras, macumbeiras, etc mas a tal igreja é o certo para eles rumo ao CÉU e salvação da vida. Nunca nós os condenamos por ser da pentecostal mas eles sim condenam nossos anciãos rezadores, uma guerra religiosa que atravessa nossos corpos e está nos violentando fortemente”, continua Jaqueline.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

One Response

  1. Max

    O imperialismo religioso, com seu fanatismo e desumanidade, continua contra as tradições milenares

    Responder

Comentários

%d blogueiros gostam disto: