Por Henda

As flores estão associadas, em muitas culturas e desde tempos muito velhos, a rituais mágicos.

O uso da planta viva é conhecido como modificador do corpo, sobretudo quando muito aromática, visto que o perfume não só agrada, como se diz que tonifica. A planta morta serve não somente a curas, como, também, a defumadores que preparam o ambiente para o descenso das divindades, ou afastam espíritos nocivos.

Fala-se, também, de plantas ressuscitadas por processos ocultos, cujos arcanos não podem ser publicados. Essas plantas, resseivadas, destinam-se a cultos esotéricos.

Para os gregos antigos, cada parte da planta correspondia aos auspícios de um deus diferente. A raiz dizia respeito a Cronos, a semente e a casca a Hermes, o lenho e o tronco a Áries, as folhas, a Selene, as flores a Afrodite e o fruto a Zeus.

Além disso, cada planeta e cada deus exercia sua influência sobre as plantas e suas preferências. As plantas influenciadas pela deusa do amor – Afrodite ou a Vênus dos romanos – são todas belas e possuem sabor agradável, produzindo flores de perfume suave e sementes em abundância. Geralmente são afrodisíacas.

Quando o planeta Júpiter se encontra perto de Vênus, a planta nasce forte e cheia de virtudes. Se, por acaso, a influência de Mercúrio se fizer sentir quando Vênus se encontra perto de Júpiter, então a planta nascerá ainda mais bela e perfeita e suas flores serão azuis e brancas.

Preferidas por Vênus, a deusa do amor, são a rosa, a violeta, a murta, a flor de laranjeira e a íris.

As flores têm sido usadas, desde há muito tempo, em trabalhos de magia e, todas elas, têm suas estórias e lendas. A cada uma atribui-se um poder.

Em feitiçaria, as flores podem ser usadas como talismãs ou amuletos, ou, então, quando secas, em incensos invocatórios ou purificadores.  Entram em beberagens ou filtros de amor com seus sumos perfumados de grande influência mágica e, quando ativadas, transmitem seu poder.

A magia do reino vegetal reside no conhecimento do espírito das flores em artes mágicas.  Para que o exercício dos poderes das flores se realize plenamente, é preciso que certas regras sejam observadas. Essas regras dizem respeito às horas de colheita, à secagem de folhas e flores e, sobretudo, às combinações de suas essências.

Por exemplo, as flores colhidas na véspera de São João retêm mais força do que no resto do ano. Em geral, as plantas que se destinam a ritos mágicos devem ser colhidas entre meia-noite e 8 horas da manhã. Sabe-se, igualmente, que a 2ª hora do dia de sábado é muito propícia às plantas usadas em fórmulas mágicas.  Há vegetais que, em feitiçaria, tem uso determinado pelos dias da semana.

Henda – Escritora, em “Segredos de Tias e Flores”, Relume & Dumará, 1994.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: