Povos e comunidades tradicionais: protagonistas do conhecimento

Por:Thays Puzzi / assessoria de Comunicação da Rede Cerrado

“Nem todo conhecimento dá conta de ser guardado em livro”

A frase da liderança indígena Célia Xakriabá dita durante o II Encontro Narrativas Interculturais e Decoloniais em Educação resume o que foi o encontro que reuniu na Universidade de Brasília (UnB), entre os dias 03 a 05 de abril, representantes de povos e comunidades tradicionais, pesquisadores, professores, estudantes e organizações da sociedade civil, entre elas, a Rede Cerrado.

Mostrar a diversidade de conhecimentos e culturas historicamente excluídos e invisibilizados pelos processos de colonização do Brasil – também refletidos nos bancos universitários – foi o fio condutor dos debates que trouxeram à tona inúmeras experiências de resistência e lutas de representantes de povos e comunidades tradicionais que, mesmo frente as diversas dificuldades, tiveram a oportunidade de ir além. Elas e eles chegaram ao Mestrado em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais, o Mespt da UnB. Levaram para a universidade a realidade do que é o Brasil, um país que também pertence aos indígenas, quilombolas, extrativistas, ribeirinhas e ribeirinhos, retireiras e retireiros, geraizeiras e geraizeiros, ciganas e ciganos, pantaneiras e pantaneiros.

“Estar na academia só faz sentido se não arrancarem de nós a nossa identidade”.

Célia, mais uma vez, traduz o sentimento desses povos e comunidades tradicionais que todos os dias lutam para terem seus modos de vida e culturas conservados.

“Me perguntam se no contexto que estamos vivendo não temos medo de sermos ameaçados e de morrer. E eu digo que meu maior medo na vida, de verdade, é continuar viva e não poder dizer quem a gente é”.

Como a primeira mulher indígena da sua comunidade a chegar a um mestrado e a um doutorado, Célia Xakriabá conta que sempre a perguntam qual é o sentimento e ela arremata:

“a gente não é mais importante porque é a primeira ou a segunda. Isso nos dá uma responsabilidade maior de questionar porque em pleno século XXI, só agora nós somos as primeiras”.

O que para muitas pessoas é um processo natural de formação acadêmica, os povos originários levaram quinhentos e tantos anos para começar a acessar. A realidade é compartilhada por outros povos e comunidades tradicionais e é por isso que o processo de descolonização precisa acontecer, também, dentro das universidades. Além da trajetória de vida, Célia relata emocionada sobre as ausências de se doar ao movimento indígena. “As pessoas têm falado sobre a solidão da mulher negra, mas não tem discutido a solidão da mulher indígena”.

Companheira de sala e luta, Lidiane Taverny conta como chegou ao termo retireira do Araguaia, forma como ela se reconhece. Nascida em uma pequena cidade às margens do rio, o sonho era ir para a cidade grande para estudar em busca do “futuro perfeito” desenhado nas telas da televisão. Aos 15 anos sai da casa dos pais, vai morar em casa de família em Ceilândia, cidade satélite de Brasília. Em troca de moradia, comida e estudos, era a responsável pelos afazerem domésticos. Depois de presenciar e ficar no meio de um tiroteio, ela decide voltar para a sua comunidade e, desde então, inicia sua trajetória de reconexão com suas origens. Foi nas raízes profundas do seu território bem característicos do Cerrado que Lidiane ganhou fortes galhos que a fizeram ir além.

O II Encontro Narrativas Interculturais e Decoloniais em Educação não foi composto somente de narrativas autobiográficas, conversatórios trouxeram para os participantes debates sobre diferentes temas, como Território, Identidade e Sustentabilidade: alternativas ao desenvolvimento. Experiências do Cerrado trouxeram diversos desafios enfrentados por esses povos e comunidades tradicionais e também mostraram que é possível gerar e garantir um desenvolvimento que não degrade o meio ambiente e promova inclusão e justiça social.

Luiz dos Santos Leite, geraizeiro do Oeste Baiano, Abner Mares Costa, da 10envolvimento, e o professor da Universidade Federal do Oeste Baiano, Valney Dias Rigonato, relataram a experiência da comunidade Cacimbinha que, com apoio do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) por meio do Programa de Pequenos Projetos Ecossociais (PPP-ECOS), puderam realizar a Cartografia Social do território. Tanto a 10envolvimento quanto o ISPN são associados à Rede Cerrado. A quilombola Valéria Porto, também da Bahia, deu ainda mais vida a realidade que ataca, em especial, o MATOPIBA. E Rubem de Almeida, do norte de Minas Gerais, trouxe para os participantes um relato sobre as comunidades geraizeiras.

O Encontro Narrativas Interculturais e Decoloniais em Educação foi promovido pelo Mestrado em Sustentabilidade junto a Povos e Territórios Tradicionais (MESPT), da UnB, pelo Grupo de Pesquisa Educação, Saberes e Decolonialidades, pela Apos Explorações, pela Rede Cerrado e pelo Grupo de Pesquisa Território, Comunidade, Aprendizagem e Ação Coletiva (UV-México).

Assista ao vídeo e veja os principais momentos dos depoimentos:

Para saber mais sobre a história de Estrondo, assista à reportagem produzida pela Repórter Brasil e ao documentário Gerações Geraizeiras, da 10envolvimento.
Confira alguns momentos do encontro
ANOTE:  Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta de entidades e movimentos sociais Brasil afora. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Visite nossa Loja Solidária: https://www.xapuri.info/loja-solidaria. Em Brasília, encomendas com Janaina: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: