Quilombo Gurupá na sombra do arrozal

 Por: Fábio Zuker 

Esse curta-metragem acompanha uma reportagem especial sobre os impactos socioambientais da monocultura de arroz no Arquipélago do Marajó a partir da Comunidade de Remanescentes do Quilombo Gurupá, em Cachoeira do Arari, no Pará.

Apesar da distância que separa o quilombo das plantações de arroz, os efeitos são concretos: o quilombo está na foz do Rio Arari; a água captada pelas plantações é de lá retirada, causando seca nunca antes vista.

As comunidades também são impactadas pelo uso intensivo dos agrotóxicos nas fazendas de arroz. O vídeo mergulha também na história de violência do quilombo: sua origem, quando duas pessoas fugiram do trabalho escravo na Fazenda Santana para Gurupá, passando pelo clima de ameaças e medo que marcam a vida no local durante a colheita do açaí. Participam do curta-metragem as lideranças quilombolas Alfredo Neto Batista da Cunha, Maria de Fátima Gusmão Batista (na foto acima) e Rosivaldo Moraes Correa.

Agradecimentos: Comunidade de Remanescentes do Quilombo Gurupá, Rosivaldo Moraes Correa e Érica Monteiro, da Malungu (Associações das Comunidades Remanescentes de Quilombo do Pará)

Ficha técnica Direção: Fábio Zuker

Produção audiovisual: Cícero Pedrosa Neto

Montagem: César Nogueira

Mixagem de som: Paulo Marinho

Edição de conteúdo: Elaíze Farias

Edição de Fotografia: Alberto César Araújo

Coordenação geral: Kátia Brasil

Apoio: Repórteres sem Fronteiras

Realização: Amazônia Real

Cachoeira do Arari – Pará – 2020

Fonte: Amazônia Real

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: