Por Zezé Weiss

Dezembro é sempre tempo de voltar a São Francisco de Sales, bucólica cidadezinha de cerca de sete mil almas localizada no Triângulo Mineiro onde, há pouco mais de seis décadas, minha avó Maria Feliciana enterrou o meu umbigo numa barranca calorenta do Rio Grande, num lugar chamado Porto Mansinho, distante umas boas léguas do povoado que o povo da roça chamava de São Chico, na era simples do meu nascimento.

Bem mais perto da vila, a cerca de sete quilômetros, e a hora e meia de caminhada para as missas da minha infância em companhia da tia Debraila, grande rezadeira, fica a Fazenda Aldeia dos Índios, pertencente em vida a meus avós maternos, Jerônimo Pedro Villas Bôas e Enézia Cândida de Oliveira, filha da índia Alexandrina, descendente direta do povo Kayapó, ocupante daquele pedaço de chão no tempo do contato com os não originários.

Registra a história que o lugar onde São Francisco de Sales começou fica bem no encontro do Rio Verde com o Rio Grande, onde hoje vivem a prima Vanda e o primo Jerônimo, imbatíveis no preparo da deliciosa geleia de mocotó, esbranquiçada no muque, dos criativos palitos de mandioca ralada, e dos generosos tachos de pamonha com queijo de Minas.

E é também ali, a pouco mais de uma centena de metros, que fica o Porto Brasil, onde uma balsa estilosa faz a passagem obrigatória de mais de um quilômetro de rio para o município de Riolândia, no estado de São Paulo. Bem na saída da balsa fica a Prainha, o principal ponto turístico de São Francisco, com opções para quem gosta de pesca e esportes aquáticos.

Mas a São Francisco eu vou mesmo é pra visitar primos e primas – o João Neto (o primo mais velho), a Maria Olímpia, a Vanda, o Jerominho, a Idelcina e suas descendências, para ouvir dos mais antigos relatos sobre os meus pais, Odete e Vico, ou saber mais da história desse pedaço de chão onde, no ano da graça de 1825, um padre de nome Jerônimo Macedo rezou a primeira missa e do qual  meu tio Delpides Vilas Bôas foi o primeiro intendente, entre os anos de 1963 e 1964.

Zezé Weiss – Jornalista.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: