Um grande Cacique a menos: Morre Aritana

O cacique Yawalapiti Aritana, liderança do Parque Indígena do Xingu, MT, morreu, hoje, 05 de agosto em Goiânia-Goiás, em consequência do Covid-19,  aos 74 anos.

O cacique yawalapiti Aritana, uma das principais lideranças do Parque Indígena do Xingu, enfrentava problemas respiratórios, foi diagnosticado, a partir dos sintomas, com Covid-19 e foi internado  no hospital municipal de Canarana (MT). Com cerca de 70 anos de idade e hipertenso, seu estado de saúde era preocupante, entretanto seus familiares, amigos, parentes de outras etnias e apoiadores dos indígenas do Xingu sentem imensamente a partida do Cacique Aritana.

Aritana viveu na aldeia Yawalapiti, no coração do Parque do Xingu, a cerca de 8 km do posto Leonardo. Ele não queria deixar a terra indígena porque os xinguanos temem as condições dos hospitais da região, onde não há UTI (Unidade de Terapia Intensiva), e também da capital de Mato Grosso, Cuiabá, onde a pandemia levou ao colapso de unidades hospitalares, porém foi convencido a viajar. De Canarana seguiu para Goiânia, mas os pulmões comprometidos forçaram o grande Aritana fazer a passagem.

Tapi, seu filho, conta que o Cacique Aritana estava muito preocupado com o avanço do Covid no Xingu.

Após a morte dos seus parentes, Aritana iniciou uma campanha para arrecadar fundos e levar cuidados médicos para essa terra indígena, que não tem recursos ou remédios para atender os pacientes mais graves, disse Tapi.

A ideia era tentar “montar um hospital de campanha ou comprar remédios, porque sem remédios no posto de saúde da vila, como o médico vai tratar febre, dor de cabeça, diarreia e dores no corpo?”, questionou.

Aritana, o guerreiro, não teve tempo de fazer o pretendido e o governo tem se furtado a cumprir seu papel de cuidar dos povos originários, dos povos indígenas. Se não enfrentam mineradores, destruidores da floresta, encontram um inimigo atroz, o Covid-19, que veio do exterior e para o qual não possuem nenhuma imunidade.

Que o  Cacique seja recebido em grande festa do outro lado: añu naku; añu taku.

Que  os apapalutápa permitam seu cortejo fúnebre como ele sempre imaginou: no centro de sua aldeia.

Xamãs, pajés, familiares de sua putaka,  parentes e caraíbas lamentam sua partida, Cacique Aritana!

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

 

 

 

One Response

Comentários

%d blogueiros gostam disto: