Uma rocha chamada Dirceu –

Por: Ricardo Cappelli/Brasil 247 

“Que saibamos honrar o sacrifício de Dirceu, Lula e tantos outros combatentes que marcaram de sangue e glória o barro que formou nossa nação. Precisamos construir a Unidade do Campo Popular e Democrático. Esta é a palavra de ordem que a história exige de nós e pela qual seremos cobrados pelas futuras gerações.”

A entrevista de Zé Dirceu a jornalista Mônica Bergamo assombra até o mais frio e pragmático dos Marechais. É difícil não se emocionar com a história do líder estudantil que enfrentou a clandestinidade e virou general da esquerda brasileira. O petista, ereto, altivo, encara o fascismo e seu destino agarrado ao fio condutor da luta do povo brasia eiro.

Se nada mudar, aos 72 anos, cumprirá 7 anos em regime fechado. Outros processos estão a caminho. Terminar seus dias no cárcere é uma hipótese real. Dirceu reconhece que pode ter cometido erros, mas como bem lhe disse Vaccari, é caçado pela direita pelos acertos, não pelos erros.

Ver um homem deste tamanho condenado à prisão perpétua dói muito. Não se trata de apreço pessoal, idolatria ou partidismo, não é o meu caso. O general volta para a masmorra para fazer companhia a Lula, num cenário jamais imaginado pelo mais pessimista dos pessimistas. O coração e a razão, na mesma cela.

Zé fala de sua própria prisão com a naturalidade dos que sabiam que conduziam parte de seu povo para morte certa na luta feroz contra o nazismo. Convictos que do sangue dos seus brotaria a consciência, a vitória e a esperança para humanidade, os comandantes travavam dentro de si um embate entre a finitude da vida, a singularidade humana e o compromisso com a história.

Que saibamos honrar o sacrifício de Dirceu, Lula e tantos outros combatentes que marcaram de sangue e glória o barro que formou nossa nação. Precisamos construir a Unidade do Campo Popular e Democrático. Esta é a palavra de ordem que a história exige de nós e pela qual seremos cobrados pelas futuras gerações.

Ricardo Cappelli é secretário da representação do governo do Maranhão em Brasília e foi presidente da União Nacional dos Estudantes.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

2 Responses

Comentários

%d blogueiros gostam disto: