Os Princípios da Carta da Terra

Os Princípios da Carta da Terra

Mais do que um chamado, a Carta da Terra é um alerta, um alarmante pedido de socorro para os povos do mundo, para que se responsabilizem e cuidem do futuro de nossa única morada, o Planeta Terra.

Kleytton Morais

Gestada durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como Eco 92, Rio 92 ou Cúpula da Terra, o documento final da Carta da Terra, com seus 4 tópicos e 16 princípios, demorou praticamente oito anos para ser aprovado, em 29 de junho de 2000, com a assinatura da maioria dos países, incluindo o Brasil.

Infelizmente hoje, em nosso país, o documento que estabelece os parâmetros para a construção de uma sociedade mais justa, pacífica e sustentável, vem sendo rejeitado por um governo que insiste em passar a boiada nas conquistas sociais e ambientais do povo brasileiro.

Nós, do Sindicato dos Bancários de Brasília, seguimos nos pautando pelos princípios da Carta da Terra, apresentada pelas Nações Unidas como a “Carta dos Povos”. Ao divulgar esses princípios, reiteramos nosso compromisso com esse outro mundo economicamente viável, socialmente justo e ambientalmente viável que acreditamos ainda ser possível.


PRINCÍPIOS

 

I. RESPEITAR E CUIDAR DA COMUNIDADE DA VIDA

 

  1. Respeitar a Terra e a vida em toda sua diversidade.

 

  1. Cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor.

 

  1. Construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis e pacíficas.

 

  1. Garantir as dádivas e a beleza da Terra para as atuais e as futuras

gerações.

 

Para cumprir estes quatro amplos compromissos, é necessário:

 

II. INTEGRIDADE ECOLÓGICA

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

 

  1. Proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com especial preocupação com a diversidade biológica e com os processos naturais que sustentam a vida.

 

  1. Prevenir o dano ao ambiente como o melhor método de proteção ambiental e, quando o conhecimento for limitado, assumir uma postura de precaução.

 

  1. Adotar padrões de produção, consumo e reprodução que protejam as capacidades regenerativas da Terra, os direitos humanos e o bem-estar comunitário.

 

  1. Avançar o estudo da sustentabilidade ecológica e promover a troca aberta e a ampla aplicação do conhecimento adquirido.

 

III. JUSTIÇA SOCIAL E ECONÔMICA

 

  1. Erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental.

 

  1. Garantir que as atividades e instituições econômicas em todos os níveis promovam o desenvolvimeto humano de forma equitativa e sustentável.

 

  1. Afirmar a igualdade e a equidade de gênero como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e assegurar o acesso universal à educação, assistência de saúde e às oportunidades econômicas.

 

  1. Defender, sem discriminação, os direitos de todas as pessoas a um ambiente natural e social capaz de assegurar a dignidade humana, a saúde corporal e o bem-estar espiritual, concedendo especial atenção aos direitos dos povos indígenas e minorias.

 

IV. DEMOCRACIA, NÃO VIOLÊNCIA E PAZ

 

  1. Fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e proporcionar-lhes transparência e prestação de contas no exercício do governo, participação inclusiva na tomada de decisões e acesso à justiça.

 

  1. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessários para um modo de vida sustentável.

 

  1. Tratar todos os seres vivos com respeito e consideração.

 

  1. Promover uma cultura de tolerância, de não violência e de paz.

 

Kleytton Morais – Presidente do Sindicato dos Bancários Brasília.  Membro do Conselho Editorial da Revista Xapuri.  


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!