Povos e Comunidades Tradicionais na Construção de um canal direito com a Sociedade

Esta Coluna na Revista Xapuri se propõe a ser um espaço de divulgação de temas para o fortalecimento dos Povos e Comunidades Tradicionais-PCTs do Brasil, como o acesso e garantia da manutenção dos territórios, respeito às culturas tradicionais, políticas públicas adequadas a sua realidade sociocultural.

Sua publicação se dá á partir de uma parceria entre a Revista Xapuri, e o Núcleo de Organização da Coluna.A função do núcleo é organizar as publicações da coluna, este é composto por Alícia Morais (Catadoras de Mangaba), Claudia Sala de Pinho (Comunidades Tradicionais Pantaneiras – Mestre em Ciências Ambientais -UNEMAT, Presidenta do CNPCT), Givânia Silva (Quilombola, Doutoranda-UnB), Maria Aparecida Mendes (Quilombola, Mestre CDS-UnB), Lidiane Taverny (Retireiras do Araguaia, Mestre CDS UnB), Valdivino Rodrigues (Comunidades de Fundos e Fechos de Pasto da Bahia), Adriana Margutti (Mestre em Ciências Florestais, Coordenadora do Coletivo Florestal Cagaita), Gabriel Domingues (Ecólogo, doutorando no CDS/UnB), e Gessyca Alves (Jornalista).

Os PCTsbrasileiros, em sua enorme diversidade com mais de 28 segmentos, são os grandes agentes da sociobiodiversidade do país mais megadiverso do Planeta Terra. Nossosterritórios ainda conservados são ocupados por PCTs, que mantêm seu modo de vida em harmonia com o ambiente. Faz parte das culturas tradicionais a diversidade de manejo das áreas naturais que protege as funções ecológicas necessárias para a manutenção de água doce, do equilíbrio climático, e sua relação com a natureza gera conhecimento para a indústria alimentícia, farmacêutica, de cosméticos e tantas outras.

A importância das culturas tradicionais para a humanidade é proporcional á necessidade de água e ar limpos para se viver com qualidade. Historicamente os Povos e Comunidades Tradicionais no Brasil pertencem a uma parcela excluída da sociedade sem o domínio dos seus territórios, e nenhum acesso a políticas públicas ou seguridade social. Por um breve período da história,onde a gestão do Estado Brasileiro teve orientação progressista,houve um processo de inclusão dos PCTs no orçamento público, aumentando a participação na estrutura do executivo com a criação de instâncias voltadas diretamente para suas necessidades. Se viabilizou a participação dos povos tradicionaisna elaboração e fiscalização das políticas públicas através de conselhos como o CONDRAF (Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável), CNPCT(Conselho Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais), CONSEA (Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional), entre tantos outros, assim como a criação de universidades e políticas de valorização da educação.

Porém infelizmente o Estado Brasileiro novamente fecha as portas para os PCTs, os excluindo do orçamento da união, destruindo a estrutura de governo e políticas públicas, avançando contra os territórios adquiridos, e favorecendo seus algozes nas estruturas de poder local.

Nossa Coluna na Revista Xapuri vem se contrapor a este movimento. Iremosdisponibilizar informação de qualidade com consciência crítica, combatendo o racismo e a opressão aos povos e comunidades tradicionais brasileiros.

Contamos com vocês leitores e leitoras!!

Contato: colunapcts_xapuri@gmail.com

CONHEÇA AS PESSOAS DO NOSSO NÚCLEO DE ORGANZIZAÇÃO:

Alícia Morais – Catadoras de Mangaba Claudia Sala de Pinho – Comunidades Tradicionais Pantaneiras – Mestre em Ciências Ambientais-UNEMAT – Presidenta do CNPCTGivânia Silva – Quilombola – Doutoranda-UnBMaria Aparecida Mendes – Quilombola – Mestre CDS-UnBLidiane Taverny – Retireiras do Araguaia – Mestre CDS UnB

Valdivino Rodrigues -Comunidades de Fundos e Fechos de Pasto da BahiaAdriana Margutti – Mestre em Ciências Florestais, Coordenadora do Coletivo Florestal CagaitaGabriel Domingues – Ecólogo, doutorando no CDS/UnBGessyca Alves – Jornalista

NOTA DA XAPURI: HONRA E PRIVILÉGIO IMENSO CONTAR COM A CONFIANÇA DESSA TURMA GUERREIRA LINDA. BOAS-VINDAS! GRATIDÃO!

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826. Camiseta Paulo Freire

Comentários

%d blogueiros gostam disto: