Pepe Mujica: Um exemplo aos políticos

Pepe Mujica: Um exemplo aos políticos

O ex-presidente do Uruguai José Alberto Mujica Cordano, o Pepe Mujica, o amigo de Lula, dá uma lição aos políticos do mundo inteiro

Por Jaime Sautchuk

Mais uma vez, no final de outubro passado, o ex-presidente do Uruguai José Alberto Mujica Cordano, o Pepe Mujica, dá uma lição aos políticos do mundo inteiro. Ele renunciou ao mandato de senador, por achar injusto receber salário sem poder exercer o mandato parlamentar a contento, por causa do Coronavírus, impedido de conversar com eleitores, de resolver problemas, de representar o povo, enfim.
Durante seu mandato como presidente da República (2010–2015), ele já havia se recusado a ocupar palácios públicos e continuou morando em sua pequena chácara em Rincón del Cerro, zona rural de Montevidéu, onde até hoje cultiva flores e hortaliças. Ainda enquanto presidente, Mujica doava quase 70% de seu salário ao seu partido, a Frente Ampla, e a um fundo pra construção de moradias populares.
Sua trajetória política, no entanto, vem desde muito antes, marcadamente no combate à ditadura militar uruguaia, que massacrou o povo de seu país de 1973 a 1985, coincidindo no tempo e na ideologia com a brasileira.
Foi líder do Movimento Tupamaros de Libertação Nacional e pegou em armas com ações cinematográficas. Mujica teve importante papel no combate à ditadura militar no Uruguai, que massacrou o povo daquele país de 1973 a 1985. Na guerrilha, participou de assaltos, sequestros e do episódio conhecido como Tomada de Pando, ocorrido em 8 de outubro de 1969.
Nessa ocasião, os tupamaros tomaram a delegacia de polícia, o quartel do corpo de bombeiros, a central telefônica e várias agências bancárias da cidade de Pando, situada a 32 quilômetros de Montevidéu. Mujica foi preso e passou 14 anos na prisão, de onde só saiu no final da ditadura, em 1985, quando os guerrilheiros tupamaros e outros presos políticos foram libertados.

POLÍTICA NO SANGUE
Por parte de pai, Mujica é descendente de bascos, cuja origem é a cidade de Múgica, na Espanha, um povo com tradição guerreira. A família chegou ao território espanhol vizinho do Brasil em 1840. Filho de Demétrio Mujica Terra e Lucy Cordano, ele nasceu em 20 de maio de 1935, no bairro Paso de La Arena, em Montevidéu.
A família de sua mãe, por sua vez, era de imigrantes italianos. O sobrenome Cordano, de seu avô Antonio, é originário da província de Gênova, a mesma região de onde veio a família Giorello, de sua avó Paula. Seu pai era um pequeno agricultor que foi à falência pouco antes de morrer, em 1940, quando Mujica tinha seis anos.
Mujica recebeu educação primária e secundária em escola pública do bairro onde nasceu. É casado desde os anos 1970 com a também militante Lúcia Topolansky e é ateu, sem convicção religiosa.
Seu tio materno, Ángel Cordanoera, é líder nacionalista e teve grande influência sobre a formação política de Mujica. Em 1956, conhece o então deputado nacionalista Enrique Erro, por meio de sua mãe, militante de seu setor. Desde então, começou a militar no Partido Nacional, onde chegou a ser secretário-geral da Juventude.
Nas eleições de 1958, triunfa pela primeira vez o Herrerismo, e Erro foi designado ministro do Trabalho, sendo acompanhado por Mujica nessa época. Em 1962, os dois abandonam o Partido Nacional para criar a Unión Popular, junto ao Partido Socialista do Uruguai, e um pequeno grupo chamado Nuevas Bases. Nessas eleições, colocam Emílio Erugoni como candidato a presidente da República, mas ele chega apenas aos 2,3% dos votos.
Nos anos 1960, partiu pra luta armada, com o Movimento Tupamaros, com o qual participou de operações de guerrilha, enquanto trabalhava em sua chácara, até se refugiar na clandestinidade. Durante o governo de Jorge Pacheco Areco, a violência aumentou, fazendo crescer a guerrilha e a oposição de sindicatos e grêmios diante do arrocho econômico.
Nos enfrentamentos armados, foi ferido por seis tiros e preso quatro vezes, e, em duas oportunidades, fugiu da prisão de Punta Carretas. Seu último período de detenção durou treze anos, entre 1972 e 1985. Foi um dos dirigentes tupamaros que a ditadura militar tomou como refém, eles seriam executados caso sua organização retornasse às ações armadas.
Entre os reféns também se encontravam Eleutério Huidobro, ex-ministro de Defesa Nacional, e o líder e fundador do MLN-Tupamaros, Raúl Sendic, cujo filho Raúl Fernando Sendic foi vice-presidente da República no segundo mandato de Tabaré Vásquez, mas renunciou, e quem assumiu a vice-presidência foi a esposa de Mujica, Lúcia Topolansky.
Alguns anos após a abertura democrática, ele criou, junto a outras lideranças do MLN e outros partidos de esquerda, o Movimiento de Participación Popular (MPP), dentro da Frente Ampla. Nas eleições de 1994, foi eleito deputado por Montevidéu.
Sua presença na arena política era diferenciada, chamando a atenção positivamente. Assim, nas eleições de 1999, foi eleito senador, e foi publicado o livro Mujica, de Miguel Ángel Campodónico. Em março de 2005, o então presidente Tabaré Vázquez o designou ministro da Agricultura, cargo que ocupou até 2008, quando se candidatou à presidência da República – e foi eleito.

AMIGO DE LULA

Pepe Mujica conheceu o ex-presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva nesta fase de sua vida, por contingências diplomáticas, digamos. Contudo, a maneira injusta com que Lula foi afastado da política e até levado à prisão política lhe causaram profunda indignação, como ele revelou por diversas vezes, mundo afora.

Os dois se tornaram fraternos amigos, se encontram e conversam com frequência, seguindo, cada qual a seu jeito, a linha política de uma socialdemocracia latino-americana, que tende a crescer nos próximos anos.

Jaime Sautchuk – Jornalista

 

 

 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA? 

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

ASSINE AQUI

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!