A ocupação de Goiás e suas bases econômicas: O garimpo e a marcha para o Oeste

Do mesmo modo que em outras regiões do Brasil, a história da chegada dos brancos nos territórios indígenas da Região Centro-Oeste teve forte motivação econômica. Estimulados pela Coroa Portuguesa, os bandeirantes imprimiram a marcha para a conquista de novas fronteiras em busca do ouro, da prata e das pedras preciosas.

Os caçadores de esmeraldas trouxeram os escravizados, muitos dos quais já habituados à atividade extrativista, que tinham experiência obtida nas “Minas Gerais” ou traziam as técnicas do continente africano, dos seus lugares de origem.

É importante salientar que o grosso do conhecimento sobre mineração e metalurgia utilizado na empresa colonial na América provinha das civilizações ameríndias e africanas. Muitos africanos que vieram para este território já eram mestres do achamento e trato dos metais.

Em meados do século XVIII, os assentamentos para o estabelecimento dos garimpos já se faziam presentes em grandes áreas do interior goiano, estendendo-se até o Mato Grosso. Seguindo o leito dos rios, principal vertente do extrativismo, as expedições bandeirantes adentraram a região Centro-Oeste, deixando um rastro de pequenos ranchos e áreas de cultivo que serviriam, mais tarde, como embrião de uma rede de arrais e vilas.

Margeando os rios, foram paralelamente sendo abertas estradas e, em face da demanda por animais, alimentos e toda sorte de utensílios para sobrevivência, foi-se consolidando uma rede de abastecimento que interligava a região Centro-Oeste às demais. Da região Sul, provinha principalmente o gado e as mulas, da Bahia, a maior parte dos alimentos, além de gado. Do Rio de Janeiro, para onde ia o grosso do ouro rumo à Metrópole, vinha a maior parte da mão de obra escravizada.

A atividade extrativista exigiu a presença de grande quantidade de pessoas escravizadas. A mineração, sobretudo a de leito de rio, forma mais presente na região, pressupunha por vezes trabalhos de mudança de curso das águas, o que demandava a presença de muitos trabalhadores.

Além disso, a crescente produção de ouro e diamante suscitou de parte da Coroa Portuguesa a montagem de uma vigorosa estrutura administrativa e regulamentadora, trazendo para o interior do Brasil um contingente de funcionários públicos, responsáveis pela segurança, a ordem e a arrecadação de tributos.

Excerto do livro “A verdade sobre a Escravidão Negra no Distrito Federal e Entorno”. Sindicato dos Bancários. 2017

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

CamisetaKrenakBabyLook

Leave a Reply

Your email address will not be published.