chat Facebook

Florbela Espanca: Amar 

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui… além…
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!…
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder… pra me encontrar…

Algumas notas:
  • Florbela Espanca foi uma poetisa portuguesa, natural do Alentejo, nascida em dezembro de 1894.
  • Estudou no Liceu de Évora, casou-se em 1913 com Alberto Moutinho, concluiu o Curso De letras dos Liceus e, posteriormente estudou direito na Universidade de Lisboa, onde fez contato com outros poetas da época e com um grupo de mulheres escritoras. Colaborou com jornais e revistas.
  • Casou 3 vezes, sendo que os casamentos fracassados, as desilusões amorosas e a morte acidental do irmão Apeles Espanca, na queda de um avião sobre o Tejo em 1927, marcaram a sua vida e a obra
  • Morreu em dezembro de 1930, aos 36 anos, em decorrência de problemas de saúde, sobretudo de ordem psicológica.
  • O seu atestado de óbito atesta como causa mortis um edema pulmonar mas, em algumas biografias da poetisa, é referido que a mesma se suicidou.

Fonte: wescribe.pt


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

continua depois da propaganda
Chat Facebook